Vingadores | Joss Whedon diz que não entendeu o Thanos do MCU

O Thanos sem dúvida foi até o momento o personagem mais controverso e complexo do MCU,  com um pensamento altruísta baseado na lógica malthusiana e com um senso de paz e justiça um tanto que questionáveis, o que dividiu os fãs em torno dos seus ideais.

Mas o Thanos que vimos em Guerra Infinita nem sempre foi assim, vale lembrar que antes dos irmãos Russo, Joss Whedon esteve à frente dos filmes que trouxeram o vilão para as telas do cinema, e a versão apresentada por ele tinha uma pegada mais malévola, desonesta e mais próximo da sua versão cômica das HQs.

A primeira diferença das duas versões está no sorriso tímido e pensativo do Thanos de Guerra Infinita, enquanto a versão Whedon transmitia um sentimento mais presunçoso e confiante, dando a entender que ele possuía ambições muito maiores que simplesmente organizar o universo.

Um outro ponto está no fato do Thanos pré Guerra Infinita não demonstrar qualquer tipo de sentimento pelo homem comum ou qualquer outra espécie, enquanto que a versão dos irmãos Russo lutou pelo equilíbrio e manutenção do universo a qualquer custo. Essa grande diferença de tons ficou um bom tempo sem explicação, mas agora sabemos o porquê.

Durante o fim de semana da SDCC, em entrevista a IGN, Joss Whedon confessou que nunca entendeu realmente o Thanos ou o que fazer com ele. “Honestamente, eu meio que o deixei pendurado para secar”, disse, falando da primeira vez que o Titã Louco apareceu na tela. “Eu amo o Thanos. Eu amo sua visão apocalíptica, seu caso de amor com a morte. Eu amo o seu poder, mas eu realmente não o entendo. Ele tem muito poder e ele era legal nos quadrinhos, e eu acho que Thanos é o maior vilão da Marvel! E então eu fiquei tipo, eu realmente não sei o que faria com o Thanos.”

Segundo o cineasta, o plano original era se manter fiel à representação dos quadrinhos. Ele conta que amava  Infinity Gauntlet de Jim Starlin e havia estabelecido ela como história base para o filme dos “Vingadores“. No arco dos quadrinhos de 1991, o Titã Louco se apressa para coletar todas as seis Jóias do Infinito e eliminar metade do universo, não por uma razão filantrópica, mas para impressionar a Senhora Morte, pela qual ele era loucamente apaixonado. Por mais épico que essa história seja, ela não funcionaria para o grande público. Joe e Anthony Russo, que dirigiram Vingadores: Guerra Infinita , perceberam exatamente isso. Então ao invés de retratar Thanos como apaixonado, eles optaram por uma visão mais realista, em que o Titã Louco luta para salvar o universo, ao invés de conquistar alguém.

Apesar de ter começado na direção oposta, Whedon admitiu que ficou impressionado com o caminho que os Russos tomaram e que Brolin “arrasou” no papel. “Eu pensei, eles fizeram o que precisavam fazer”, disse. “[Thanos se apaixonando pela morte não é] um conceito que necessariamente iria funcionar. Às vezes é muito fácil para um vilão dizer: Eu amo a destruição! Eles lhe deram uma perspectiva real e o fizeram se sentir justo consigo mesmo, o que é sempre uma ideia melhor. Então, gostei muito do que eles fizeram.”

Parece que foi ontem que a Marvel Studios apresentou Thanos nas cenas pós créditos de Os Vingadores(2012) . Na época, parecia que Whedon sabia o que estava fazendo, construindo uma visão única dos  poucos heróis que a Marvel tinha à sua disposição. Whedon era um visionário, uma força cinematográfica da natureza, e os fãs adoraram acreditar que o Thanos de Brolin foi sendo construído através de vários filmes até Guerra Infinita. Mas é totalmente diferente do que imaginávamos ao olhar pela perspectiva de quem o trouxe para os cinemas. Whedon disse aos fãs da Comic-Con que ele desconhecia a versão atual do Thanos, e que ele “certamente não a inventou”.

“Não foi algo como se eu tivesse dito ‘aqui estão varias direções'”, explicou ele. “Eu pensei, bem, vou terminar Ultron , cochilar por uns quatro anos, e então eu vou para a estréia(De Guerra Infinita). E foi o que eu fiz!” Deve-se notar que o trabalho em Era de Ultron(2015) não foi agradável para Whedon, o que consequentemente culminou com a sua saída do MCU.

Em 2012, Thanos era apenas uma ideia, algo colocado apenas como referência por Joss Whedon, que ainda não tinha uma ideia consolidada para o mesmo, porém com o passar dos lançamentos e com a chegada dos irmãos Russo ao MCU, ele se transformou de um alienígena poderoso e conquistador para alguém com medos, amores e motivações crescentes. Como a maioria dos “Bêbes” cinematográficos, Whedon deu a luz ao Thanos e coube aos irmãos Russo cultivar e amadurecer a versão atual do vilão.

Via: Comic Book Resources

Raysom

Bacharel em Administração, DCnauta de coração, empreendedor viciado em chá, guitarrista aposentado, co-fundador da DC Brasil Club, Sindicato Nerd e Marvel Brasil Club.

%d blogueiros gostam disto: