The Get Down, o mais novo acerto da Netflix!

0

Depois de maratonar Stranger Things, achei que a Netflix iria demorar até me prender novamente; Pelo menos enquanto a nova temporada de Narcos não estivesse disponível. Então, eis que me aparece nos indicados The Get Down.

Prometida ao público como uma série musical sobre o Bronx, eu estava na dúvida sobre assistir; Nunca fui muito fã de musicais. Porém, depois dos primeiros dez minutos eu já tinha aceitado que ela seria meu novo vicio.

É nos contada a história de Ezekial, um garoto prodígio que tem um talento enorme para fazer rimas e em algum momento se torna um rapper de sucesso; Também temos Mylene e Shaolin, uma garota com o dom da voz mas sufocada pela família super religiosa e o outro é um grafiteiro que sonha em ser DJ.

Vários flashforwards são apresentados com Zeke em um palco cantando sobre sua adolescência e começo de carreira em um dos lugares mais pobres de Nova Iorque. Uma coisa muito interessante é o jeito que mostra ele narrando os fatos que estão acontecendo, montando a própria trilha sonora da cena.

thegetdown4

Isso chama a atenção durante todos os episódios. A trilha honra completamente o período em que a série é habituada (1977), com músicas disco e muita animação; Várias cenas se banham de trilhas cantadas em outros núcleos.

Exemplo disso é quando Mylene participa de um dos corais da igreja, e no momento em que a cena é cortada vamos para outro lugar ainda com a mesma som. Esse tipo de edição é um dos triunfos da série, que diferente de outros musicais, não deixa a música simplesmente como parte da estética e a coloca para contar, de fato, a história.

E eu não estou brincando quando digo contar a história. Nós só sabemos sobre a maioria do passado de Zeke (não o dele adolescente, e sim quando os pais ainda estavam vivos) por causa de suas rimas. Nossa primeira experiência com isso, é quando ele narra um de seus poemas para a professora logo no primeiro episódio, contando sobre o assassinato de seus pais.

“Boom the crash. The sattering of glass. I dived to the floor, busted my ass. “What the hell was that?” was all I said. Then I see a pool of blood. Then I see my Moms was dead. No emotion in the commotion. I wasn’t even sad even when I learned that the bullet was meant for my dad.”

4209Aproveitando o momento, preciso dizer o quão bem o show trabalha problemas sociais. Como dito acima, o lugar em que Zeke cresceu era extremamente pobre e sem nenhuma chance de crescimento; Movido por gangues, tráfico e corrupção.

O jeito que em que ele consegue mostrar coisas pesadas como crianças envolvidas no crime, falta de serviços básicos e até mesmo preconceito de um jeito que não o deixa pesado é impressionante. Como nós estamos vendo a visão de dentro do Bronx, nos sentimos na pele dos personagens e com um sentimento gostoso de esperança.

Mesmo com todos os problemas eles continuam achando um escape; Seja no grafite, na música ou até na religião. (O grafite é outro tema muito bem abordado durante todos os seis episódios). Você sabe da situação dos personagens e mesmo assim o clima engraçado e leve te faz relaxar enquanto assiste.

Em contrapartida, tem cenas que acontecem no núcleo do tráfico que te faz voltar para a realidade quebrando totalmente o clima.

Existe muito disso; Tanto no sentido emocional com cenas felizes partindo para cenas dramáticas, quanto no tema do show. Em certas partes, você não sabe se ele é uma comédia, um musical ou um drama. Mesmo causando um sentimento de estranheza sinto que essa foi a intenção dos diretores.

Com uma direção incrível, uma trilha sonora que encanta e atuações de tirar o fôlego (até mesmo Jaden Smith mandou bem), The Get Down continua com a tradição da Netflix de fazer programas que são originais, bem feitos e que sabem tratar de coisas sérias sem parecer que foi por obrigação. Uma pena que só tenha seis episódios disponíveis.

 

Leave A Reply

Your email address will not be published.

%d blogueiros gostam disto: