SUPERBOY | Conheça os personagens que já usaram o manto do herói

Superboy é uma versão mais jovem do Superman e um membro da Família Superman. Este era originalmente a identidade que Clark Kent adotou quando usava seus poderes para ajudar os outros como um adolescente em Smallville. Ele também tem sido um membro da Legião dos Super-Heróis.

É geralmente relacionado ao Superboy com uma versão juvenil do Superman. Isso parece simples, sem precisar de muitas explicações, mas o Universo DC é qualquer coisa menos simples.

Assim como, de fato, havia um Superboy que era apenas o Homem de Aço da idade escolar, também havia outras encarnações mais complexas, e talvez por esse motivo mais interessante de escrever e ler.

 

Superboy Prime

Vamos começar não a partir do primeiro personagem criado, mas sim do mais complicado. Superboy Prime apareceu pela primeira vez em DC Comics Presents #87 de novembro de 1985. Ele era ninguém menos que Kal-El da Terra Prime.

DC Comics Presents Vol.01 #87

Após seu planeta natal explodir, Kal foi encontrado numa floresta pelo casal Jerry e Naomi Kent. Se baseando em um personagem fictício publicado pela DC Comics da Terra-Prime, eles batizaram o bebê de Clark. Apesar de ser kryptoniano, Clark não desenvolveu poderes durante a infância e por grande parte de sua adolescência. Porém, um dia, quando ele ia para uma festa de Halloween, convenientemente vestido de Superman – seu herói favorito –  ele foi banhado por um clarão no céu que ativou seus genes alienígenas, dando a ele todos os poderes clássicos do Superman. Infelizmente, pouco tempo depois disso, ele foi jogado no meio da Crise nas Infinitas Terras, quando o grande algoz do Multiverso, Anti-Monitor, destrói o Universo Prime, matando tudo e todos aquele que Kal amava. Ainda assim, Superboy Prime lutou até o fim.

Ao final da Crise, Superboy Prime e alguns outros personagens vão para uma dimensão que é uma espécie de eco que reverberava lembranças de sua terra Natal. Mas com o passar do tempo, Prime foi ficando cada vez mais perturbado. Aliado à Alexandre Luthor da Terra-3, ele protagoniza a polêmica cena do soco na parece da realidade, dando inicio aos eventos da Crise Infinita. O Soco causou várias mudança na cronologia do universo DC. As origens de Superman e Donna Troy foram modificadas e a Patrulha do Destino e Jason Todd retornaram do limbo e dos mortos, por exemplo.

Usando a desculpa de que o universo Prime é que deveria ter sido salvo nos eventos da Crise, ele promove o ódio e a destruição por onde passa; ódio que foi aumentado quando ele conheceu Conner Kent, o Superboy do universo regular. Após uma batalha que envolveu todas as equipes do Universo DC, Prime acabou sendo detido por Superman e virando um prisioneiro dentro de um sol vermelho sob supervisão dos Guardiões do Universo, líderes da tropa dos Lanternas Verdes.

Em Guerra dos Anéis, Prime é libertado de sua prisão e ingressa na Tropa Sinestro, onde ele se torna aliado do Anti-Monitor, um fato que chocou os leitores da época. Como ele se aliaria tão fácil ao responsável pela destruição de seu universo? Vejam que saímos de um personagem puro e heróico para um sádico manipulador. Ele não entrou em conflito de imediato somente para ganhar tempo e finalmente ter a sua vingança, que foi exatamente o que ele fez. Ao final da guerra, ele atravessa o peito de Anti-Monitor e joga sua carcaça no espaço sideral. Enlouquecido, ele tenta matar todos a sua frente, mas acaba detido pelos Guardiões do Universo, que pensaram ter exterminado Prime, mas eventualmente só o tinham jogado à deriva no Multiverso. Essa foi considerada a última vez que o personagem teve um bom aproveitamento. Depois disso, a única coisa que veremos é a sua obsessão por encontrar seu lar novamente.

Durante Contagem Regressiva para Crise Final, Superboy Prime se encontra na Terra-15, em um Planeta Terra que já havia extinguido toda a criminalidade e desigualdade social. Infelizmente, eles não estavam preparados e sucumbiram ante as terríveis habilidades de Prime, que explode o planeta. Para não entrar em mais detalhes, Prime bola um plano que envolve Mxyzptlk, o Monarca e até mesmo uma versão da Terra-3 da Zatanna. Tudo isso para ele retornar para a sua Terra natal. Mas a única coisa que ele consegue é ser jogado no tempo.

Em Crise Final: Legião dos Três Mundos, um personagem conhecido como Senhor do Tempo resgata Prime e o envia para o Século 31, esperando que Superboy destruísse a Legião dos Super-Heróis. A Legião, ainda inexperiente com tamanha malícia desse vilão, procura nos arquivos como Superboy Prime foi derrotado e lá consta somente a sua última aparição em Guerra dos Anéis. Como uma medida desesperada, eles chamam o Superman do Século 21, que ao traçar um plano de contingência com Brainiac 5, trazem 2 versões da Legião para neutralizar a ameaça. Uma grande batalha se segue e nessa luta, Bart Allen (que havia morrido em seu título solo dois anos antes) e Conner Kent (morto pelo próprio Superboy Prime durante Crise Infinita) são trazidos de volta dos mortos para essa batalha. No final, Conner descobre que o Senhor do Tempo é na verdade uma versão mais velha do Superboy Prime e coloca os dois para brigarem. E assim, eles acabam desaparecendo num paradoxo temporal.

No título Adventure Comics,  Prime ressurge na Terra Prime, sem poderes, onde ele passa a viver com seus pais, numa situação parecida com a do seu personagem no pré-Crise. Só que seu pais sabem de todas as suas ações que foram retratadas nos quadrinhos publicados pela DC Comics desse mundo. Geoff Johns o utiliza como uma paródia metalinguística onde Prime, trancado em seu quarto, passa a viver como um troll da internet, hateando nos fóruns qualquer coisa que a DC publica. Em um determinado momento, Alexander Luthor retorna e lhe confere os poderes de volta, para que ele pudesse voar até Nova York e se vingar dos escritores da DC. E aí começa mais uma aventura meia-boca que tenta emular o último arco do Homem Animal de Grant Morrison, com direito até a zumbis da Noite Mais Densa.

Após Adventure Comics, Prime retornou para o universo regular da DC, quando um vilão dos Titãs abre um buraco de minhoca, sugando Prime de seu mundo. Ele reúne alguns jovens supervilões e é novamente derrotado e aprisionado na Muralha da Fonte, com a promessa de que ele estaria acabado de uma vez por todas. Por sorte, veio Flashpoint e Superboy Prime não apareceu nos Novos 52.

 

Superboy original

A primeira aparição do Superboy, que remonta à década de 1940, foi precisamente o mais simples e mais comum de todos. Era um personagem igual a Superman, com o mesmo traje e a mesma identidade secreta de Clark Kent, apenas mais jovem.

Superboy foi criado por Jerry Siegel e Joe Shuster, primeiro aparição em More Fun Comics  #101. (1945)

Primeira aparição do Superboy original.

 

A primeira história que apresentou o Superman quando ele era o Boy of Steel. Em 1945, o Superman reinou como o personagem mais popular da DC, o menino de ouro teve um impacto maior com os leitores do que as crianças sidekicks, como Robin e Sandy. Em More Fun # 101, a DC combinou recursos de sucessos em uma nova historia ao introduzir o Superboy com novas características.

A idéia de contar as aventuras de Superman antes de chegar à idade adulta ocorreu ao escritor Jerry Siegel em 1941, mas sua série proposta, protagonizada por Superman “antes de desenvolver uma consciência social”, não foi a lugar nenhum. Esta curta tira de apenas 5 páginas em More Fun #101 foi escrita por Siegel, mas publicada enquanto ele estava ausente durante a guerra, e foi ilustrado por Joe Shuster. Ele introduziu o Superboy na idade aproximada de 8 anos depois de relatar a história do foguete de seu pai Jor-El, a explosão de Krypton e a adoção do jovem Kal-El pelos Kents.

Os Kents, cujos primeiros nomes foram desconhecidos nesta história, adotaram o menino depois de encontrá-lo em um orfanato e não pareciam estar relacionados com “quem resgataram o garoto de seu foguete de Krypton“. À medida que crescia, os músculos do jovem Clark Kent eram úteis para carregar lenha, mas só depois de resgatar um jovem preso sob um caminhão, Clark percebeu que seus poderes extraordinários podiam trazer atenção indesejada para sua família adotiva. O último quadro da história retrata Clark em sua identidade alternativa como Superboy, exibindo uma mini versão do familiar traje vermelho, azul e amarelo.

As diferenças foram mínimas no ambiente de suas histórias, localizadas na cidade de Smallville em vez de na grande cidade chamada Metropolis, e na aparição de um elenco de personagens que imitaram os conhecidos de suas histórias de aventuras como adultos: Lana Lang como um interesse romântico e, mais tarde, Pete Ross como melhor amigo, ocupando os locais de Lois Lane e Jimmy Olsen.

Nos seus primeiros anos, a Superboy tornou-se um personagem popular e recebeu sua própria série intitulada com o nome dele, assim como se tornou como a história principal da coleção Adventure Comics.

Superboy provou ser um personagem bem sucedido e retornou na próxima edição de More Fun antes de se mudar e assumir o lugar principal na revista Adventure Comics da edição #103 do mês seguinte.

Além disso, as aventuras do Superman adolescente incorporaram vários elementos importantes para o mito do personagem adulto, como Krypto “o super cão”, o vilão Bizarro e o enredo de Lex Luthor transformando de amigo do jovem Clark Kent ao inimigo declarado dele.

  

 

Além disso, a maior contribuição de Superboy para o DC Universe foi o grupo de jovens do século XXX, a Legião dos Super-heróis. Eles apareceram pela primeira vez no final da década de 1950, na Adventure Comics # 247, como uma equipe super-heróica inspirada nas façanhas do passado da Superboy que viajaram ao século 20 para levá-las ao futuro.

A popularidade da Legião foi tanta, que com a passagem do tempo e os quadrinhos deslocando o Superboy nas duas séries que estrelavam; primeiro de Adventure e depois do próprio, que passou a ser chamado Superboy e Legion of Super-Heroes e, então, diretamente The Legion of Super-Heroes.

A popularidade da versão jovem do Superman diminuiu para ser apagada da continuidade após a primeira crise do DC Universe, e John Byrne reescreveu a origem do Man of Steel.

Isso foi modificado vinte anos depois, após Crise Infinita, quando Geoff Johns decidiu substituí-lo. Isso pode ser lido tanto na minissérie da nova Origem Secreta do Superman quanto na Action Comics pelo mesmo roteirista. Como tudo o que Johns fazia naquele momento, era uma versão modernizada do clássico.

 

Os Superboys paralelos

A supressão de Superboy da continuidade oficial do Universo DC trouxe consigo um dos conflitos mais emblemáticos deste tipo. Com a nova linha histórica, a Legião dos Super-heróis continuou sem modificações, mas seu inspirador nunca havia existido. Para resolver essa lacuna e manter a coerência do universo interligado, recorreu à aparência de um Superboy de um universo alternativo, chamado “Universo de bolso”.

Isto foi apresentado em um crossover entre as coleções de Superman e a Legião, sob o título The Greatest Hero the The All (O maior herói de todos). A história apresentada nestes quadrinhos segue um enredo bastante complexo e não tão fácil de entender, mas ainda divertido e funcional para o objetivo de parcerias de continuidade proporcionando uma inspiração para a Legião dos Super-heróis com esta versão heróica do Superboy.

O “Universo de Bolso” mencionado é criado pelo vilão dos heróis do futuro, Time Trapper, do universo que desapareceu na Crise, publicada em 1986. A explicação dada na história é que a Terra deste outro universo foi onde a Legião viajou toda vez que visitou o Superboy no século XX (isto é, nos quadrinhos dos anos 60 e 70).

Outra importante versão alternativa do Superboy é a correspondente a Terra-Prime, a Terra do então desaparecido Multiverso DC que era igual ao dos leitores, onde os super-heróis são apenas personagens de comics. Nisto, havia apenas uma pessoa com poderes: o Superboy.

Sua primeira aparição foi na Crise original, mas sua importância como personagem foi obtida na Crise Infinita, publicada vinte anos depois. Nesta minissérie, ele reapareceu junto com os outros personagens que haviam se exilado em um limbo cósmico depois desse primeiro grande evento (Alex Luthor de Terra-3 e Superman e Lois de Terra-2) e desde então ele era conhecido como Superboy-Prime (por sua origem).

Depois de cumprir o papel de antagonista naquela história de 2006, ele não desapareceu do Universo DC, mas foi reutilizado em diferentes papéis de alguma importância em sagas como “Guerra da Tropa Sinestro“, “Contagem Regressiva para a Crise Final”, a “Legião dos Três Mundos” e a “Noite mais escura”.

 

Kon-El e Conner Kent, dois nomes do mesmo Superboy

A segunda versão mais famosa de Superboy emergiu como um substituto para o próprio Superman após a morte dele. Entre o ano de 1993, as quatro séries do Homem de Aço foram afetadas pelo desaparecimento de seu protagonista, em cujo lugar foram criados quatro substitutos. Um deles acabaria se tornando o Superboy da geração moderna.

Estamos no começo dos loucos anos 90, onde para causar algum impacto, a DC matou o Superman. Logo depois, alguns personagens surgiram para manter o ideal de esperança vivo para os cidadãos do mundo. Eis que surge pelas mãos de Karl Kessel e Tom Grummett, em Adventures of Superman #500, um clone do Superman. Esse clone criado pelo Projeto Cadmus, tinha células kryptonianas de Kal-El e células humanas (que anos mais tarde seria retconado por Geoff Johns e essas células humanas passariam a ser células do Lex Luthor).

Aventuras do Superman  #500 (1993)

O projeto Cadmus fez o melhor possível para clonar o Superman mas não conseguiu reproduzir os poderes kryptonianos dele: tanto que Superboy não tinha visão de calor e alguns dos outros poderes do Homem de Aço. O que eles conseguiram reproduzir foi a força; até um certo ponto -, invulnerabilidade; também até um certo ponto; e o resto era compensado por sua telecinésia tátil.  Sua invulnerabilidade era parte dele próprio e de sua telecinésia, o mesma com o poder de vôo. O  projeto Cadmus não conseguia clonar o DNA kryptoniano com perfeição, tanto que o próprio Luthor já havia tentado antes sem muito sucesso, que foi o que levou a criação do Bizarro (pós-Crise: reboot do Superman do John Byrne).

Porém, ainda sem saber que era um clone, Superboy tem algumas crises de identidade ante o seu papel na sociedade. Um fato curioso é que ele não aceita ser chamado de Superboy, pois ele acredita ser o verdadeiro Superman e se sente extremamente diminuído por ter o nome “boy” ao invés de “man”. Essa nova abordagem para o portador do S não foi bem recebida pelos leitores da época e após O Retorno do Superman, Superboy decide deixar Metrópolis.

Ele ganha seu próprio título e recebe a alcunha de Superboy Havaiano pelos fãs, quando o personagem escolhe o seu destino como sendo o Havaí; e como clonagem era um tema que estava fazendo sucesso nos anos 90, logo no seu primeiro arco ele enfrenta uma série de clones de Lex Luthor. Suas aventuras pelo Havaí continuaram sempre focando na personalidade irritante e imatura do personagem, com breves lampejos de crescimento psicológico conforme ele ia adquirindo experiência. Partindo do ponto que  Superboy Prime era uma vítima e foi adquirindo traços cada vez mais vilanescos durante o tempo, a carreira do Superboy foca no desenvolvimento de um jovem que tenta encontrar seu lugar no mundo em meio a tantas escolhas.

Depois de algumas aventuras no Havaí, os roteiristas decidiram dar um tom mais sombrio para o personagem, que foi forçado ao amadurecimento ao ingressar no Esquadrão Suicida para derrotar uma outra organização chamada Silicon Dragons. Nesse momento, Superboy presencia várias mortes, inclusive de membros do seu time. Desse momento em diante ele sai da sua zona de conforto e começa a participar de histórias envolvendo outros personagens do Universo DC, chegando a uma saga cósmica onde ele forma uma força tarefa com Aço e Centurião para resgatar o Superman de um vilão chamado O Tribunal. Apesar desse tom mais sério e de histórias com cada vez mais responsabilidades, os escritores não esqueceram de continuar trabalhando o lado do personagem que sofria exigências, como ir para escola ou até mesmo tentar impressionar garotas. Vemos um momento que temos um adolescente já enfrentando as mazelas da vida adulta.

Superboy é tido entre muitos saudosistas como um personagem irritante e chato, porém não devemos esquecer que antes de tudo, a revista tinha um público alvo e entregava um bom trabalho para esse público. Por mais que o personagem fosse poderoso, a revista sempre abordava temas como crescimento, responsabilidades e relacionamentos na transição para a vida adulta.

Depois de um período de muitas aventuras e muitas mortes, ele é acolhido por Superman e os Kent, assumindo a identidade de Conner Kent ao mesmo tempo em que ele ingressa nos Jovens Titãs. Nessa fase é explorada a ideia dele ser um clone do Superman com DNA humano de Lex Luthor. Originalmente, o plano de Luthor era ter um agente que no futuro derrotaria o Superman. Depois de muitas batalhas ele se vê livre do controle mental e decide se aposentar da vida de super-herói, passando a viver na fazenda dos Kent, onde ele finalmente encontrou a paz que tanto procurava.

Foi visto principalmente na própria série, a terceira coleção intitulada Superboy que abrangeu 100 números. Além disso, esse personagem teve outras aparições importantes em séries de grupos juvenis como Superboy & Ravers, Justiça Jovem, os Jovens Titãs.

Além de ser o Superboy da época moderna nos quadrinhos, esse personagem é um dos melhores exemplos do crescimento do DC Universe. Inicialmente, ele foi apresentado como um adolescente de 15 anos mimado que buscava fama, dinheiro e mulheres (e é por isso que ele se instala na ilha do Havaí). Anos mais tarde, um pouco mais crescido, ele se instalou em Metropolis relacionando-se mais com o elenco do Superman (recebendo o nome de Kon-El), depois se instala em Smallville com os Kents (e adotando a identidade secreta de Conner).

No entanto, o desenvolvimento de sua história não terminou, mas também teve seu momento de maior glória heroica para se sacrificar para salvar todo o universo em Crise infinita (quando Superboy Prime se enfurece ao descobrir que Conner Kent tinha tomado o lugar que era seu por direito enquanto ele tinha caído no esquecimento. Conner lutou bravamente para deter Prime, mas isso custou-lhe a própria vida).

Mas como vocês já devem desconfiar, todo Superboy reaparece do nada em alguma oportunidade. Enquanto Superboy Prime ataca o Século 31, a Legião envia Starman para o Século 21, que coloca Conner em uma câmara de recuperação que levaria 1000 anos para regenerá-lo completamente. Após a derrota de Prime, ele retorna para o Século 21 mais maduro, decidido a colocar em ordem sua relação com a Moça Maravilha.

Nesta última etapa, ele estrelou duas de suas melhores histórias: uma na revista Adventure Comics renovada, com Johns e Francis Manapul como autores e outra em sua nova série, de Jeff Lemire e Pier Gallo.

Superboy Havaiano está entre os muitos personagens que as pessoas adoram odiar, por isso deixo como recomendação o tie-in Convergence: Superboy como uma revisita para quem quiser entender a mitologia do personagem e que não queira correr atrás de mais de duas décadas de histórias.

 

O Superboy dos Novos 52

Como em quase todas as linhas da DC Comics, o reboot de 2011 trouxe mudanças importantes para o Superboy. Enquanto o personagem foi mais uma vez apresentado como um clone, com a mesma habilidade de telecinésia, sua origem e traje foram profundamente modificados, envolvendo-o em maiores e novas histórias dos quadrinhos da editora.

O plot é quase o mesmo, mas ao invés do Cadmus, temos a organização N.O.W.H.E.R.E.. Com um novo uniforme negro lembrando levemente o antigo, Kon-El se junta aos Jovens Titãs após tentar elimina-los. Vemos o personagem com problemas de adaptação, tentando provar que ele não é somente uma arma viva.

Depois disso, Kon-El se junta à Superman e Supergirl na saga Inferno na Terra, tendo como inimigo H’el, um ser poderosíssimo capaz de subjugar até mesmo a Liga da Justiça (em várias épocas diferente ao mesmo tempo). Essa história serviu para melhorar sua relação com Clark e Kara, que vinham se estranhando desde o inicio dos Novos 52. Mesmo assim, por ser um clone, ele enfrenta grande preconceito por parte da Kara. Kara não confia em nenhum clone, já que foram eles os responsáveis por uma revolução que quase levou Krypton à destruição.

 

O relacionamento deles não vai melhorar até eles enfrentarem H’el em várias linhas temporais. Enquanto Superman enfrentava H’el num futuro distópico, Kara foi enviada à Krypton durante a revolução dos clones. Kon ficou responsável por garantir que a jovem Kara fosse salva em sua nave antes que sua Krypton explodisse. Apesar do sucesso de sua missão, Kon não consegue escapar a tempo e explode junto com o planeta. Mais uma vez, temos a morte de mais um Superboy. Nesse jovem universo dos Novos 52, infelizmente a DC perdeu uma boa oportunidade de atualizar o personagem. Ao contrário do que fizeram com a Batgirl, ele ficou como uma caricatura do personagem dos anos 90, carregando o ódio dos fãs que não choraram a sua morte. Mas Superboy bom é Superboy que volta dos mortos. Kon-El volta a vida misteriosamente em meio aos eventos de Supergirl na escola Crisol.

 

O Superboy do Novo Universo DC

Jonathan Samuel “Jon” Kent é um personagem fictício da DC Comics. Criado por Dan Jurgens, o personagem apareceu pela primeira vez em Convergência: Superman #2 (julho de 2015 nos Estados Unidos e março de 2016 no Brasil), sendo o filho de Superman/Clark Kent e Lois Lane, e é o mais recente personagem no Universo DC a adotar o nome de Superboy.

Convergência (2015)

Após as consequências Ponto de Ignição,  Clark e Lois do período Pós-Crise e Pré-Ponto de Ignição ficaram presos durante um ano em Gotham City, que está envolta por uma redoma e, sem eles saberem, em um planeta fora do continuum do espaço/tempo. Por Clark estar sem os seus poderes, eles são capazes de conceber uma criança. Quando a redoma cai e os poderes de Clark voltam, Lois é sequestrada por Superman Ponto de Ignição. Clark consegue salvá-la a tempo de realizar o parto e trazer Jonathan Samuel Kent ao mundo.

Depois do nascimento de Jon, eles se juntaram a Parallax, Barry Allen e Supergirl para voltar no tempo e desfazer os eventos de Crise nas Infinitas Terras, restaurando o Multiverso. Como a Terra que eles conheciam não existia mais, Brainiac, por escolha deles, os enviou para a Terra Primordial.

 

Superman: Lois e Clark (2015-2016)

Os Kent chegam à Terra Primordial logo após o Superman desta Terra e outros heróis que viriam formar a Liga da Justiça deter a invasão de Darkseid. Clark e sua família vivem em segredo pelos 10 anos seguintes, adotando o sobrenome “White” como homenagem a Perry White. Lois se torna uma autora anônima e Clark continua a realizar tarefas heroicas nas sombras. Jon tem uma vida normal, embora comece a desconfiar de que seus pais não estão contando a ele toda a verdade sobre. Eventualmente ele começa a desenvolver poderes semelhantes aos de seu pai. Depois que ele e sua mãe foram sequestrados e quase mortos pela Intergangue, seus pais finalmente revelam sua verdadeira origem a ele.

 

Tornando-se o Superboy (2016)

Após Jon e seus pais se mudarem para o Condado de Hamilton, Clark orienta Jon a não usar os poderes dele, tendo em vista que ele ainda está aprendendo a controlá-los, a não ser em questão de emergência. Depois que a Liga da Justiça descobre a existência de Jon, Clark passa a ensiná-lo a como usar os poderes dele e o torna seu parceiro, assim fazendo com que Jon se torne o Superboy.

 

Poderes e habilidades

O primeiro superpoder que Jonathan desenvolveu foi Super Audição. Outros poderes (Invulnerabilidade e Superforça ) começaram a se manifestar quando tanto ele quanto sua mãe foram colocados em perigo. Também mostrou ter Visão de Calor. Em Superman vol. 4 # 3, revela-se que, devido aos genomas humanos e Kryptonianos de Jon, seus poderes ainda estão se desenvolvendo e se adaptando, resultando em falta de consistência em sua Invulnerabilidade, o que significa que às vezes ele é vulnerável a lesões e ainda pode se machucar, mesmo que seus outros poderes estejam ativos. Ele demonstrou ter desenvolvido: Visão de Raio-x em Trinity vol. 2 # 1, Sopro Congelante em Superman vol. 4 # 10, Super Velocidade e Visão na Action Comics # 966, Super Sopro em Super Sons # 4 e Vôo em Superman vol. 4 # 25. Devido à idade jovem de Jon, seus poderes e controle geralmente flutuam com suas emoções.

 

 

Smallville: As aventuras do Superboy

Ao falar sobre Superboy, embora nos referimos a quadrinhos, é inevitável também não pensar em outras mídias, principalmente a série de televisão Smallville.

Embora tenha sido criticada por muitos fãs de quadrinhos, foi uma adaptação muito bem sucedida para a televisão que conseguiu se estender por dez anos. Esta série baseia-se essencialmente nas características do Superboy original, mas também incorpora elementos da era moderna do DC Universe, incluindo a adaptação de Conner Kent dentro de seu roteiro.

Com suas modificações e adaptações ao mundo de hoje, e sem mesmo usar o nome Superboy, Smallville tem grandes semelhanças com a versão mais clássica do personagem.

 

Superboy ( Conner Kent ) em Justiça Jovem

Superboy é um genomorfo híbrido clone de Superman e Lex Luthor, um dos primeiros membros fundadores da equipe Justiça Jovem.

O Superboy é um dos personagens mais fascinantes de Justiça Jovem, sem dúvidas ainda vamos ver muitas histórias centradas nele. A primeira aparição foi justamente no primeiro episódio do desenho, intitulado Dia da Independência (Independence Day), onde a trama foi inteiramente focada na descoberta do “Projeto Kr”.

Seu nome Connor Kent foi sendo elaborado durante os episódios da primeira temporada da série. Quando Miss Marte e Superboy entrariam na escola, ela sugeriu o nome para ele – Connor – e ele passou a adota-lo para si, no fim da primeira temporada, descobrimos de onde ela tirou o nome, era o nome do par romântico da personagem principal de sua série favorita “Alô Megan!” . O sobrenome Kent foi sugerido pelo Caçador Marciano, claramente querendo liga-lo ao parentesco do alter ego do Superman “Clark Kent”, porem ele aceita pensando ser uma homenagem para o Sr. Destino “Kent Nelson” o qual eles tinham ajudado recentemente.

Embora ele deseja ser um bom herói, Superboy tem problemas de raiva. Depois de ter passado suas primeiras 16 semanas de existência como um projeto de ciência e uma mente fantoche controlada, Superboy se tornou desafiador e não gosta de ser dito o que tem fazer ou ser desconsiderado. Muitas vezes ele se comporta com um ar de extrema confiança, devido em grande parte, ao fato de que ele é clone genético do Superman, e foi criada a fim de substituí-lo. Isso faz ele ter extremamente excesso de confiança em suas habilidades para o ponto que ele ignora a ajuda de outros e impulsivamente joga-se em situações que não pode lidar por conta própria. Apesar desta confiança, ele se preocupa com a vida de seu homónimo, Superman. Devido ao fato de ele nunca teve a oportunidade de interagir com ninguém até recentemente, Superboy é um pouco anti-social e tem dificuldade em conviver com os outros ou mostrar suas emoções. Como tal, ele sempre se comporta de maneira conflituosa a todas as pessoas, mesmo daqueles que estão tentando ser gentis com ele. Coisas simples como fazer as pazes com as pessoas é um conceito difícil para ele entender. No entanto, ele aprendeu rapidamente e tornou-se não tão silencioso, a ponto de até mesmo manter uma conversa sem ficar com raiva.

O relacionamento entre o Superman e seu clone, Superboy, não começou nada bem. Enquanto Conner o vê como uma espécie de pai, Clark Kent por sua vez o considera inicialmente apenas como uma anomalia genética, rejeitando qualquer aproximação. Somente no final da primeira temporada os dois finalmente começaram a desenvolver um bom relacionamento, inclusive com ambos revelando suas identidades secretas um para o outro.

 

Logo no primeiro encontro entre a Miss Martian e o Superboy rolou aquele clima, a garota de pele verde não tirava os olhos dele. Ao longo dos episódios a relação deles foi evoluindo aos poucos, passando da amizade para o relacionamento amoroso. Porém, no início da segunda temporada da série, agora chamada de Young Justice: Invasion, descobrimos que o casal terminou e o héroi ficou sozinho.

Curiosamente, nos quadrinhos o personagem também já ficou com outra integrante da equipe, Moça-Maravilha (Cassie Sandsmark).

 

 

 

 

 

 

 

 

**Informações sites

DC Wikia

Comicvine

Vix

Gloriosa DC

Torre Titan

Wikipedia

Justiça Jovem BR

Juliana

Formada em Engenharia de Produção, desenhista como profissão e DCnauta de coração. De vez em quando saio para me socializar no mundo exterior, prefiro acreditar em super heróis do que na maioria das pessoas.

%d blogueiros gostam disto: