619 views 0 comments

STAR WARS | Obi-Wan Kenobi: o mais humano de todos os Jedi

by on dezembro 8, 2017
 

Ele foi um dos poucos sobreviventes da caçada proferida por Darth Sidious aos Jedi após a formação do Império, foi o primeiro Jedi após milhares de anos a derrotar um Sith, e também foi o responsável por guardar e proteger o segredo sobre os irmãos Skywalker.

Conheça um pouco mais a fundo sobre Obi-Wan Kenobi!

Texto adaptado da Ordem Sith (Curta a página aqui).

“Eu falhei com você Anakin… eu falhei com você.”

Ele não possui aquela aura de poder arrogante de Mace Windu, e nem é um alien esverdeado de 900 anos, ou tampouco é o filho da Força. Não foi o Jedi mais forte, mas foi o primeiro a derrotar um Sith em milhares de anos, e o único a derrotar dois “vilões”: Maul e Grievous.

Obi-Wan era um homem como outro qualquer: sensitivo a força, sim, mas acima de tudo um homem de fé, que mesmo diante do colapso de toda a Ordem Jedi ainda insiste:

“Nosso compromisso é com a República, com a democracia, Anakin.”

Contudo, aquilo que Kenobi mais carregou vivo dentro de si foi a culpa.
Culpa por não ter chegado a tempo de salvar seu mestre e não ter acreditado nele, quando este acreditou em Anakin; tal que Obi-Wan diria a Yoda no final do Episódio I que treinaria o menino — ainda que em discordância com o Conselho.

Obi-Wan viria a abrir mão de tudo para tentar ser o melhor Jedi que conseguisse. Deixaria seu grande amor, a Duquesa Satine de Mandalore para cumprir o Código, mas isso novamente acarretaria mais culpa ao mestre; pois, ao vê-la morrer em seus braços, diria:

 

“Se eu soubesse antes que você também me amava, eu teria abandonado a Ordem.”

 

“Se eu soubesse antes que você também me amava, eu teria abandonado a Ordem.”

O ápice de culpa e dor de Obi-Wan se deu diante de Anakin.

“Eu falhei com você.”

Nessa frase o Mestre desabafa toda sua autocrítica. Ele não odeia Anakin, ele odeia a si mesmo; ele sente que falhou com Qui-gon, que falhou com Anakin, que falhou com a Ordem… que falhou consigo mesmo.

Por muito tempo nos perguntamos, por que Kenobi não aplicou um golpe de misericórdia em Anakin nas areias de Mustafar? Não poderia ser apenas por uma questão de continuidade da história, e não era. A resposta estaria anos na frente, especificamente no momento em que ele diz que Darth Vader matou Anakin Skywalker. Se nos lembrarmos desta cena, quando isso é explicado a Luke, ele se põe a pensar logo em seguida; claro, porque isso traz à tona sua culpa: o Padawan que não chegou tempo de salvar seu mestre em Naboo, o mesmo que não salvou a amada em Mandalore, o mestre que não salvou o Padawan de ser morto pelo Lado Negro.

Seu exílio em Tatooine não foi redentor. Ele não estava em um santuário da Força como Dagobah. Ele estava apenas sozinho. Não podia nem mesmo ajudar aqueles que estavam a sua volta, aquilo que seria a essência de um Jedi; ele não podia botar em risco Luke.

Suas meditações não nos deixam mentir:

“É tão estranho estar aqui, neste lugar e nestas circunstâncias. Anos atrás tiramos uma criança de Tatooine, achando que ela era a maior esperança da galáxia. Agora, eu trouxe outra de volta, e com o mesmo objetivo em mente. Espero que a coisa se saia melhor dessa vez. Porque o caminho até esse momento foi cheio de dor. Para toda a galáxia, para meus amigos… e para mim.
[…]
Os holovídeos que vi dele chacinando as crianças Jedi no Templo ainda assombram meus sonhos… e estraçalham meu coração em pedaços.
[…]
Mas não posso me dar ao luxo de reagir mais às coisas como Obi-Wan Kenobi. Não poderei sequer ativar meu sabre de luz sem que esse gesto grite ‘Cavaleiro Jedi’ a todos ao redor.
[…]
Sim, imagino que as coisas serão mais lentas. Estarei longe de qualquer lugar, e sozinho, com nada a mão a não ser meus arrependimentos para me fazerem companhia.”

(Star Wars Legends: Kenobi, por John Jackson Miller)

Então o que faz de Obi-Wan Kenobi tão especial?

A esperança. A esperança daquele que ousa treinar o filho de Darth Vader. A esperança do antigo general Kenobi, agora reduzido apenas ao velho Ben, em sonhar novamente com uma galáxia em paz.

“Obi-Wan Kenobi, o grande cavaleiro Jedi, perdeu tudo… menos a esperança”.

Obi-Wan podia se chamar Maria, podia se chamar José. Ele poderia ser qualquer um de nós que, diante de todo o sofrimento do nosso dia a dia, que diante de cada notícia fatídica dos jornais, que diante de toda a desesperança… se ergue e: hello, there!

Talvez, a melhor definição de Obi-Wan não esteja em livros ou filmes, mas numa canção brasileira:

♪ De uma gente que ri
Quando deve chorar
E não vive
Apenas aguenta ♪