Séries/TV
155Visualizações 0comentários

ORANGE IS THE NEW BLACK | Crítica 5.ª Temporada

Poron julho 2, 2017
Detalhes
 
Sinopse

A série se desenvolve ao redor da história de Piper Chapman, que mora em Nova York e, é condenada a cumprir 15 meses numa prisão feminina federal por ter participado do transporte de uma mala de dinheiro proveniente do tráfico de drogas quando mais jovem a pedido da sua ex-namorada, Alex Vause, que é uma peça importante num cartel internacional de drogas. Piper resolve se entregar e troca uma vida confortável pela prisão. Tragada por um universo laranja completamente distinto do seu, acaba encontrando tensão e companheirismo num grupo de detentas desbocadas.

Elenco Principal

Taylor Schilling, Laura Prepon, Laverne Cox, Uzo Aduba, Natasha Lyonne, Dacsha Polanco, Kate Mulgrew.

Pontos Positivos

- Atuações excelentes
- Roteiro coeso
- Ótima abordagem sobre problemas sociais

Pontos Negativos

- Falta de consistência narrativa
- Piadas fora de hora

Nota do editor
 
Roteiro
70%

 
Fotografia
90%

 
Elenco
100%

 
Ambientação
80%

Nota geral
85%

Hover To Rate
Nota dos usuários
 
Roteiro

 
Fotografia

 
Elenco

 
Ambientação

Nota dos Usuários

Você classificou isso

 

Desde seu primeiro ano, Orange is the new black vem evoluindo como seriado, esquecendo personagens enfadonhas e abrindo espaço para seu elenco de apoio, que é primoroso.

O tema da quinta temporada é a rebelião dentro da prisão. Talvez algo que tenha me decepcionado é o clima estabelecido; Vejam bem, quando a quarta acabou, com Daya (Dacsha Polanco) apontando sua arma para o guarda, e toda a tensão entre as detentas, eu esperava uma nova temporada dramática e possivelmente triste. Não foi o que aconteceu.

Na verdade, a  série se divide em dois núcleos: o “principal”,  onde ficam concentrados os acontecimentos mais importantes e todo o drama da temporada, e o de comédia, com cenas mais leves. Isso deve incomodar no inicio, principalmente para os que, como eu, esperavam algo mais obscuro.

Claro que, no final, os dois se unem e criam uma situação de dar nó na garganta. Infelizmente, talvez a série tenha perdido uma grande oportunidade de evoluir, mas isso não chega a realmente atrapalhar.

O que incomoda é a falta de ritmo. Certos episódios tem só 20 minutos de aproveitamento, o que frusta e corta o clima de quem assiste; Ainda mais se tratando da Netflix, que baseia sua grade em maratonistas.

Já no elenco, nós temos a incrível Uzo Aduba (Suzanne), que sempre é um grande destaque; Mas, devemos fazer uma menção mais que honrosa para Danielle Brooks (Tasha Jefferson) que deu um show; Sua personagem traz toda uma carga dramática, ao falar da falecida amiga Poussey (Samira Wiley), além de tocar em temas como racismo e o descaso que as penitenciarias sofrem. Existem cenas com ela que são de tirar o fôlego

Personagens como Piper (Taylor Schilling) e Alex (Laura Prepon) ficaram bem mais apagadas, e servindo como um apoio para o resto das detentas. Isso foi muito bom, já que faz um tempo que a trama das duas se tornou menos atrativa.

E claro, como sempre, Orange is the new black abriu o caminho para discussões sobre o sistema penitenciário; Nós temos, em todo momento, as detentas citando problemas pelos quais elas passam. E a série faz isso de forma primorosa e usando até mesmo os momentos mais engraçados para discutir o assunto; Falando sobre como o sistema é falido e não foca da reabilitação delas. Mulheres que são, simplesmente, jogadas ali e que provavelmente vão acabar saindo piores do que entraram.

Aliás, um dos episódios foi dirigido pela Laura Prepon e foi um dos melhores da temporada; E o melhor em qualidade técnica.

Mesmo sem perder os traços cômicos que traz consigo desde a primeira temporada, OITNB finalmente amadurece e cresce, achando o ponto ideal entre seus dois extremos. Mesmo com algumas falhas na consistência narrativa, não podemos dizer que a série não evoluiu e não nos entregou uma de suas melhores temporadas.