Séries/TV
149Visualizações 0comentários

ATYPICAL | Uma série que vale a pena ver com toda a família !!!

Poron agosto 31, 2017
Detalhes
 
Sinopse

O protagonista de Atypical é um adolescente autista que está no ensino médio e passa por todos os dilemas que a época proporciona. Ao redor dele, além dos estereótipos clássicos da escola, está uma família confusa e amigos que desconsideram (para o bem e para o mal) as necessidades e a visão especial que ele tem do mundo. Com essa mudança constante de perspectiva e um texto que afasta qualquer vestígio de pieguice, a série questiona as atitudes de todos os personagens e de maneira descontraída mostra que ser normal é a missão mais complicada de todas.

Elenco Principal

Jennifer Jason Leigh , Keir Gilchrist , Brigette Lundy-Paine , Michael Rapaport

Pontos Positivos

- Roteiro
- Ambientação
- Temas sérios tratados com respeito

Pontos Negativos

- Episódios curtos

Nota do editor
 
Roteiro
100%

 
Fotografia
95%

 
Elenco
95%

 
Ambientação
100%

Nota geral
98%

Hover To Rate
Nota dos usuários
 
Roteiro

 
Fotografia

 
Elenco

 
Ambientação

Nota dos Usuários

Você classificou isso

 

Atypical é uma série norte-americana de comédia dramática original Netflix, disponibilizada na rede de streaming desde 11 de agosto de 2017. Criada por Robia Rashid, conta a trama de um garoto portador de autismo.Tendo apenas uma temporada, com oito episódios.

Todos os núcleos se desenvolvem a partir de Sam Gardner  (Keir Gilchrist ) e como ele enxerga o mundo. A psicóloga Julia e o colega Zahid (Nick Dodani ) tratam do relacionamento com mulheres e dividem os conselhos mais variados. Dentro da família, a visão do protagonista serve para setar as mudanças de cada membro. A mãe dele, Elsa Gardner  (Jennifer Jason Leigh ) e o pai Doug Gardner ( Michael Rapaport estão em caminhos opostos, um procurando se afastar das tarefas eternas de ter um filho como Sam e o outro tentando entender a melhor forma de se aproximar dele. E a irmã Casey Gardner ( Brigette Lundy-Paine )  , que a princípio é a mais ignorante, sabe lidar com o irmão no silêncio e na gritaria; ela é a empatia silenciosa, a compreensão que a série tenta transmitir. E o que a princípio parece simplório e uma trama básica de problema familiares se torna atraente pelo texto sóbrio de Atypical.

Trazer o universo adolescente parece ter sido uma maneira do canal de streaming se aproximar do seu público, trabalhando pautas mais complicadas através de uma abordagem diferente. Foi assim com o suicídio em 13 Reasons Why e agora com o autismo em Atypical.

Mas o que chama atenção mesmo é que, apesar de todas as limitações do personagem principal, ainda estamos vendo uma história que poderia ser minha, sua ou de qualquer outra pessoa. Assim como qualquer adolescente, tudo que Sam quer é ser enxergado pelo mundo da maneira que é – e todos nós sabemos que essa é uma rota complicada de trilhar.

Keir é o garoto perfeito para o papel principal e o abraçou muito bem. Seus trejeitos, seus olhares, a maneira que se relaciona com os demais personagens, tudo parece se encaixar perfeitamente com o personagem Sam.

Mas, além do desenvolvimento do garoto, vemos os impactos que tudo isso gera na sua família, o que puxa para momentos mais dramáticos e que prometem bons desdobramentos quando a trama se desenvolver.

A maneira que o roteiro se desenvolve, pescando nuances ora de drama, ora de comédia, dá o tom perfeito para o que série precisaria ser – afinal, não é simples tocar em um assunto como o autismo sem gerar polêmica. É importante trazer essa reflexão para o espectador, que muitas vezes nem conhece a doença e tem uma série de preconceitos infundados, um pleonasmo que cabe muito bem nesse caso.

Se vale a pena assistir? Com certeza !!

Apesar dos comentários serem de que a série sobe muito o tom na sua reta final, o tema do autismo precisa ser discutido e traz a tona uma parte da população que tem seus sentimentos postos de lado, pelo simples fatos de que nós, “os normais”, não sabemos lidar com isso.

 

 

FONTES:  Apaixonados por series, Omelete