[SPOILER] Resenha Star Wars: Os Últimos Jedi – Cada geração tem sua história

0

Nunca foi fácil para eu escrever sobre um filme de Star Wars. Talvez eu não tenha imparcialidade suficiente para falar sobre isso. Eu consigo ver seus pontos negativos sim, só que eu continuo acreditando, acreditando que aquilo que está no filme representa os desígnios da Força, representa o que a Força é, então quem sou eu para ir contra?

Eu sempre amei os heróis, mas também sempre tive um problema com eles, eles se tornavam especiais, logo, eu já não poderia ser nenhum deles. Isso era o que havia se tornado Star Wars.

Eu comecei a saga pelo Ep I. Quando vi pela primeira vez que um menino, escravo, num planeta inútil, podia ser o grande Escolhido, isso encheu meu coração. Ninguém dava nada por ele. Os Jedi com sua moralidade, a República com sua democracia, tudo mentira; todos sabiam que havia escravidão em Tatooine e ninguém estendeu um sabre de luz para mudar. Mas qualquer um pode ser usado pela Força, qualquer um.

Eu sei que para aqueles que iniciaram a saga pelo Ep IV, as coisas eram diferentes, aquele menino já era um Skywalker, pai do grande Luke. O menino não era um ninguém, era o futuro Darth Vader.

Agora pense se começassemos essa saga pelo episódio XII, ai já veríamos Rey em toda sua força e plenitude. E quando voltassemos ao VIII iríamos descobrir que ela era filha de ninguém, de bêbados, em planeta inútil, abandonado pela Nova Republica e seus grandes ideais.

Qual a diferença dela para ele? De Jakku para Tatooine? Daquele menino para essa menina? Talvez o que tenha sido revelado seja mentira, mas por que temos tanta dificuldade de aceitar a Força como ela é? Luke disse que ninguém é dono da Força, por que queremos dita-la então?

Luke aparentemente não era nada do que esperávamos. Descrente, cético, com medo! Interessante, não houve um pequeno mestre Jedi em Dagobah que também estava assim? Um mestre até que apareceu por ai…

Quem é Snoke? Provavelmente ninguém! Ele era sensitivo a Força, mas sobreviveu ao expurgo Jedi; não é um sith, não é nada. Provavelmente sempre deve ter sido um coadjuvante, alguém que por uma infinita coincidência de eventos chegou no poder. Adolf Hitler foi cabo durante a primeira guerra, rejeitado pela Escola de Bela Artes, depois se tornou o Líder Supremo; isso não lembra Snoke?

A ousadia de Poe Dameron se mostrou totalmente ineficaz. Mas não é isso a vida? Onde o romantismo da revolta juvenil é derrotado pelo pragmatismo da inevitabilidade: as coisas são como elas são. Assim também poderia ter sido o arco do Finn e Rose, serviu para que todo aquele esforço? Sim, eu senti a falta de ver Lando Carissian naquele cassino, mas passou.

Muitos se perguntam como a Primeira Ordem alcançou todo aquele status, tecnológico, bélico. Como? Muito simples, a máquina da guerra gira a galáxia. A invasão do Iraque foi justificada pela presença de armamento nuclear/químico. Alguém os encontrou? Quer saber como a Primeira Ordem chegou no poder? A indústria da guerra a colocou lá. Só faz sentido haver uma rebelião se houver contra quem se rebelar. Alguém lucrou com tudo isso, alguém vendeu para os dois lados.

Mas será que esse alguém não se prejudicou? Provavelmente, como o soldado que vende a arma para o traficante e depois é morto por ela. Mas o dinheiro continua sendo apostado.

O que foi aquela explosão atrás da Leia, ela voltando para a nave do vácuo espacial como uma anunciação divina? Simplesmente ela é uma Skywalker. Ela sempre teve esse poder dormente dentro dela. Como aquele alpinista resistiu arrancar o próprio braço? Ou o outro que levantou uma pedra de mais de 500 kg? Ou o avô que abriu a boca de um jacaré para salvar seu neto? Se a realidade é assim, imagine a filha de Darth Vader.

É interessante notar o quanto a Força influencia na vida, mas a vida também influencia na Força: por que Han Solo morreu no Ep. VII? Não foi por causa da história, mas simplesmente porque Harrison Ford já há muito tempo não queria mais o papel. Deveríamos ter uma despedida da nossa princesa/general Leia no Ep IX, mas não teremos, a história terá que ser mudada. Por que o Luke teve que se unir a Força? Porque um roteirista/diretor assim o quis, o estúdio aprovou e tudo foi feito.

Talvez para sermos mestres do Conselho tenhamos que adorar O Império Contra-ataca, odiar as Prequels, amaldiçoar Jar Jar Binks, condenar o CGI de Geroge Lucas, e claro, também lançar relâmpagos da Força nas edições dos DVDs, Ewokes e etc.

Por mim, você pode amar ou odiar todo o filme, só peço que não negligencie a última cena. Talvez meus olhos tenham visto o que sonhavam, mas eu vi o menino atraindo a vassoura para si com a Força. Quem é aquele menino? Ninguém! Um Anakin. Uma Rey. Eu. Você.

Leave A Reply

Your email address will not be published.

%d blogueiros gostam disto: