PANTERA NEGRA | As dez coisas que mais curtimos no filme!

Pantera Negra já estreou e nós já trazemos aqui uma listinha de dez ítens que amamos no filme.

Desnecessário dizer, né? O artigo contém Spoilers. Se você não viu, recomendamos que veja o filme e participe da postagem nos comentários.

Sem mais delongas, vamos lá:

 


10. Todos por Wakanda

Seria uma estratégia simples (e simplista) demonstrar que Wakanda tem estamentos de sociedade com funções muito bem definidas, e que alguma delas se isola nos momentos de perigo para ser defendida pelo restante. Em Pantera Negra, temos a genial Shuri utilizando tecnologia para atacar Killmonger no ápice do filme, e mesmo os rinocerontes do exército da Tribo da Fronteira, ordenados por W’Kabi, estão armados com Vibranium e chegam em alta velocidade no campo de batalha.

 

Todo mundo põe mesmo a mão na massa.

 

9. Abertura Mitológica

blackpanther-wakandaNunca foi tão correto o início de um filme da Marvel, não é verdade? Mais do que mostrar cenas complexas de ação e desde o início pulverizar a audiência com cenas em computação gráfica pesadas e ação desmedida, que tal preludiar o público, contextualizando o mundo em que o personagem já apresentado em Guerra Civil, T’Challa, vive? Uma ideia nada menos que excelente.

 

Quase um prato de entrada Masterchef num delicioso banquete.

 

8. Antigo Pantera Negra

Também em Guerra Civil, vimos a morte de T’Chaka na explosão causada pelo Soldado Invernal sob controle de Zemo. Em Pantera Negra, vemos T’Chaka bem mais novo em ação, como o então Pantera Negra, cercado por suas Dora Milaje e cobrando explicações de seu irmão. E como foi bom vê-lo! Tivemos a clara noção de que o Pantera Negra é uma herança legendária, passada de geração em geração, e validada pela cerimônia de posse em que duelos de desafiantes pelo trono podem rolar.

 

Saber que o espião é Zuri é uma puta surpresa.

 

7. Computação Gráfica

 

A artificialidade na computação gráfica ainda não foi completamente superada — nem mesmo em Pantera Negra. A verdade é que, nas cenas de batalha do rei de Wakanda, fica impossível disfarçar sequer os excessos da animação digital utilizada na movimentação e nos golpes do personagem. Mas não podemos falar isso sobre o restante do filme (a esmagadora maior parte) e sobre a integração entre CG e as filmagens. O nível é altíssimo, a retratação de Wakanda é inacreditavelmente bonita e crível, unindo a tecnologia ao verde que traz o selvagem à tona, e de alguma forma isto — ao contrário do item anterior — não fica artificial.

 

Não é feitiçaria, é tecnologia — diria a outra.

 

6. Tribos

Wakanda não é apenas um local privilegiado pelo seu verde, pelas belas pessoas negras e pelo ambiente selvagem; o lugar protegido pelo Pantera também é dotado de cinco tribos especiais, e de funções, cores e costumes definidos. Por exemplo, a Tribo da Fronteira é a encarregada de ser a primeira linha de defesa; a Tribo Mineradora é provavelmente a responsável pela extração de Vibranium. Os Jabari, cujo representante-mor, M’Baku, desafia T’Challa logo no início do filme, não tem uma função muito clara, mas são mais primitivos e fazem muito menos uso da tecnologia. Uma grande mitologia é confiável contanto que seja formada por pequenos e importantes elementos.

 

Elementos estes demonstrados sem pressa e numa boa história.

 

5. Killmonger

Vilão de voz grave, cara horrorosa, origem maligna e motivações incompreensivelmente más? Não senhor! Erik Stevens é Killmonger, o personagem de Michael B. Jordan que demonstra ser forte, competente como mercenário, e impiedoso. A origem é muito mais do que justificada: quem não perderia a cabeça ao se deparar com o corpo assassinado do próprio pai? E até boa aparência o cara tem.

 

Eis um vilão de verdade, fresquinho, vindo da Marvel Studios!

 

4. Renovação da Fórmula Marvel

Por quantas vezes você viu um filme em que o herói não termina o seu longa salvando o dia? O quão previsível é a forma como contam a Jornada do Herói no Universo Cinematográfico da Marvel? É possível prever o tipo de humor, motivações dos vilões, e nível de violência a ser utilizada nesses filmes? Até o lançamento de Capitão América: Guerra Civil, não é verdade que é possível estabelecer inúmeros padrões? Esta é a chamada “Fórmula Marvel”, o limite imaginário que os filmes possuem na abordagem de várias características diferentes (e para muitos, grande responsável pela enorme bilheteria dos filmes). Diz-se que Thor: Ragnarok e Guardiões da Galáxia Vol. 2 começaram a mostrar mudanças importantes em tal fórmula, e Pantera Negra diversifica ainda mais tal limite, mostrando ainda mais mudanças e dando a elas significado e qualidade na inserção.

 

Um verdadeiro alívio!

 

3. Frases Marcantes

Pantera Negra tem algumas das melhores frases já vistas em filmes de super-heróis, das quais duas se destacam.

A frase de T’Challa na primeira cena pós-créditos é sem precedentes: “os sábios criam pontes, enquanto os idiotas criam barreiras”.

A frase é puramente uma crítica ao presidente americano Donald Trump e sua Executive Order 13767, que ordena a criação de um muro entre México e Estados Unidos. Também é um ditado direto contra a política que não favorece refugiados e imigrantes pelo globo.

Momentos antes da morte de Killmonger, Pantera Negra diz que talvez fosse possível curá-lo, e então ele não precisaria morrer no fim da batalha.

Erik diz, então, que T’Challa “poderia jogá-lo no mar, pois seus ancestrais já sabiam que a morte era melhor do que a prisão”. Esta é uma referência direta aos africanos que pulavam no mar para não serem escravizados.

 

É de chorar.

 

2. Referências históricas e à cultura Pop

Do pôster do Public Enemy na parede no apartamento do irmão de T’Chaka, N’Jobu, à frase histórica de Killmonger diante da oferta de T’Challa no final do filme, o longa é repleto de referências ao mundo real. Obviamente seria impraticável citar todas aqui, mas seguem alguns exemplos: a frase de Shuri diante das sandálias de T’Challa são uma tirada famosa como Vine; em Los Angeles, no ano de 1992, temos o motim contra a absolvição de agressores de Rodney King, mesmo lugar e período em que T’Chaka visita o irmão e acaba o matando; mesmo os Hoverboards da franquia De Volta Para o Futuro são referenciados; e assim vai…

 

Procure por outras!

 

1. Representatividade

Black-Panther-Cast-Update

Quão raro é ver um filme repleto de pessoas negras? E especificamente em um Blockbuster de nível mundial, como Pantera Negra? Os negros têm uma história difícil, marcada por muito sofrimento, mas são pessoas lindas e de cultura fortíssima. Ambos os aspectos são demonstrados pelo filme, mesmo em detalhes, de forma bela.

 

Mais etnias e povos representados = SEMPRE melhor

 


E assim terminamos nossa lista.

E você? Do que você gostou mais nesse filme? Faça a sua lista e nos mande.

Wakanda Forever!

Slip Questão

Acadêmico de tecnologia, fã de séries, animes e filmes, programador, editor de vídeo, legendador, tradutor, leitor da DC Comics e guitarrista. Carioca nem sei o porquê. Mas acredita que o melhor sabor de pizza é de calabresa, que tempo bom é frio e chuvoso, e que a guitarra que toca nunca será mais importante do que a música que escuta.

%d blogueiros gostam disto: