OPINIÃO | Um primeiro Amanhecer Esmeralda que não empolga

Do advento do anel de Lanterna Verde, passando pela prisão de Hal e pelo seu treinamento com ninguém menos do que Sinestro, temos uma saga dividida em duas partes. Aqui, falaremos da primeira e seguiremos com a segunda no próximo artigo.

 


O contexto

Ficha de informações gerais — CLIQUE PARA AUMENTAR

Embora a DC Comics e sua principal equipe de super-heróis, a Liga da Justiça, tenham tido períodos em que os Lanternas Verdes tenham tido menos foco, ou praticamente nenhum, trata-se de uma categoria bastante visada, aos quais os fãs costumam estar ligados. Após a Crise, a realidade mais clara é que havia muito sentimento de falta dos Lanternas no Fandom; e isso ao mesmo tempo em que era necessário recontar a história de origem do possuidor do anel mais interessante da editora das lendas.

Jim Owsley, ou Christopher Priest se preferir (exatamente, o mesmo que tantos anos depois escreveria Exterminador na fase do Renascimento DC), foi o responsável por escrever roteiro e diálogos do primeiro dos seis títulos; os demais ele entregaria para Keith Giffen, o co-criador do Lobo que também escreveria Liga da Justiça mais tarde. Os diálogos daí em diante também seriam demandados a outro profissional: Gerard Jones, que já trabalhou em vários títulos não só na DC, mas na Marvel, na Dark Horse, e já ganhou um Eisner (o Oscar dos quadrinhos) por seu livro Homens do Amanhã: Geeks, Gângsteres e o Nascimento dos Gibis.

Foi assim que nasceu a ideia para a criação de Lanterna Verde: Amanhecer Esmeralda (Emerald Dawn, no original). Era necessário atualizar os fãs quanto à origem e lapidação do mais famoso dos Lanternas — Hal Jordan, o piloto da Ferris Aeronáutica do qual dez em cada cinco fãs já ouviram falar. E será que o conto por si só é de arrebatar o coração?

 

Os acontecimentos

ATENÇÃO! O texto a seguir contém spoilers. Recomendamos fortemente a leitura particular da obra, para que você tire suas próprias conclusões. (adaptado de DC Database)

  • Quando menino, Hal Jordan testemunhou a morte de seu pai num acidente de avião. Anos depois, Hal tentou seguir os passos dele e trabalhou do seu modo para se tornar um piloto profissional. No entanto, ele não obteve sucesso e frequentemente foi feito de piada por seus companheiros. Após comentários pesados sobre a falha em sua carreira e na sua vida pessoal, Hal causou um acidente com seu veículo, o que deixou alguns de seus amigos seriamente feridos.
  • Apesar de estar sem condições de trabalhar, Hal decidiu comparecer ao teste da sua aeronave, mas por alguma razão desconhecida o simulador saiu voando do prédio da Ferris Aeronáutica. Antes que Hal pudesse reagir, ele estava voando por Coast City até alcançar uma área deserta, próxima do que parecia ser um local onde houve um acidente recente. Hal foi arrastado para dentro dessa área por uma força desconhecida, que falou com ele telepaticamente. Dentro da nave ele é cumprimentado por um alienígena vermelho, que diz a Hal que ele acabou de ser escolhido para ser seu sucessor como o Lanterna Verde guardião do setor 2814. Ele não entendeu o significado da mensagem, mas antes que pudesse descobrir, o alienígena morreu e o misterioso anel voou de seu cadáver para a mão de Hal. Instantaneamente, ele obteve os poderes do anel e o mesmo uniforme que o alienígena vestia.
  • Desejando sair de lá, Hal se dá conta de que ele pode comandar o anel para realizar o que quer que deseje, inclusive voar livre feito um pássaro. A confusão de Jordan aumentou e mesmo após lidar com o fato de que agora possuía poderes, ele ainda teve problemas em se acostumar a isso. Ele continuou usando os poderes do anel, mas ele sabe que ele tem de enfrentar a lei e se entregar à polícia pelo acidente que causou. Enquanto ele se entregava, teve de ceder todos os objetos valiosos a ele, incluindo o anel, e em breve ele estaria trancado numa prisão.
  • Em meio a isso, o vilão galáctico conhecido como Legião seguiu os rastros deixados por Abin Sur até o planeta Terra, onde ele começou a procurar pelo seu alvo; quando descobriu que o mesmo estava morto, ele imediatamente começou a buscar o novo Lanterna Verde e passou a seguir o rastro de energia deixado pelo anel de Jordan. Legião logo ataca a delegacia de polícia na qual Hal estava trancafiado e ele acaba executando quase todo mundo, enquanto procura pelo Lanterna. Em meio ao caos, Hal pôde sair de sua cela e alcançar o anel a tempo de enfrentar Legião. Infelizmente, o anel fica descarregado de sua energia, e então Legião agarra Hal e o tortura para obter a localização de Oa e dos Guardiões do Universo.
  • Sem a energia de Lanterna Verde, Legião parte em disparada e segue a energia deixada para trás por Hal. Em poucos instantes, Legião destrói o hospital de Coast City e a Ferris Aeronáutica. Quando Hal descobre as péssimas notícias, ele se dá conta de que ele causou tudo isso e de que toda a destruição é culpa dele. Ele então volta à nave de Abin Sur e encontra uma Lanterna, obviamente da cor verde, na qual ele consegue carregar o anel energeticamente. No fim do processo, Hal pode acessar a base de dados na memória do anel e aprender sobre o pano de fundo que envolvia Abin Sur e Legião. Quando descobriu sobre os eventos passados que levaram àquela situação no presente, Hal confronta Legião novamente; dessa vez, ele usa o reator nuclear na nave de Abin Sur para criar uma explosão que destruiria Legião, mas também o mataria.
  • No entanto, Hal sobreviveu à explosão graças ao anel, que o protegeu. Depois de Legião ser vaporizado e a crise ser contida, Hal pediu ao anel para levá-lo a conhecer outro Lanterna Verde; e então, ele voa pelo espaço até encontrar Tomar-Re, um veterano Lanterna Verde que explicou sua situação atual ao então recruta. Logo, ambos foram convocados para Oa, a base intergaláctica de operações dos Lanternas Verdes, e Hal começou seu treino com Kilowog. Infelizmente, durante o treino Oa foi invadida pela primeira vez em séculos e todos os Lanternas Verdes, incluindo Jordan, foram confrontados por Legião.
  • Os Lanternas Verdes organizaram um ataque sistemático em Legião, mas seus esforços foram inúteis, já que o vilão parecia ser irreprimível. Alguns dos Lanternas morreram tentando deter o invasor alienígena, mas eles nunca pararam de tentar. Legião chegou às câmaras de repouso dos Guardiões, onde ele foi finalmente preso por alguns cabos dos cubículos de descanso dos mesmos. Com Legião impossibilitado de se mover, Jordan o levou para fora da câmara e o arrastou para uma área enlameada de Oa, na qual ele cobriria Legião com lama para remover os efeitos de sua armadura amarela. Hal por fim derrotaria Legião e a besta tentaria explicar seu passado e ódio pelos Guardiões. O novo herói decidiu deixá-lo viver, mas removeu a armadura de Legião, o que por fim se mostrou um erro — já que o ser interior ao corpo de Legião começou a crescer e consumir tudo no planeta numa velocidade alarmante.
  • Quando os Lanternas Verdes estavam inaptos a parar Legião, os Guardiões se deram conta de que ele provavelmente consumiria Oa e eles comandaram os Lanternas para que abandonassem o planeta com eles. No entanto, Hal Jordan se recusou a fazê-lo e acabou se lembrando das palavras de Abin Sur sobre o poder definitivo. É aí que ele se lembra de que os Lanternas Verdes obtêm sua energia da Bateria Central de Oa e ele mergulha nela, emergindo como um ser de pura energia de força de vontade. Utilizando tal poder, Hal conseguiria criar um vácuo que levaria Legião de Oa para o espaço, onde ele foi contido pelo restante dos Lanternas Verdes.
  • Os Guardiões então mandaram os Lanternas Verdes levarem Legião de volta ao seu planeta, enquanto desceriam em Oa para confabular com Hal Jordan privativamente. Hal não se lembraria exatamente do que aconteceu ou como ele conseguiu se acoplar à Bateria Central. Por fim, quando os outros Lanternas voltaram de sua missão, os Guardiões decidiram que Hal deveria voltar à Terra, já que seu treino já havia terminado.
  • De volta à Terra, Hal se entregou às autoridades e foi preso pelos crimes cometidos antes de se tornar um Lanterna Verde. Quando ele foi liberado, Carol Ferris deu a Hal de volta seu emprego como piloto de testes; ele eventualmente foi promovido a piloto. No fim, Hal combinou seus deveres como piloto profissional com aqueles de membro da Tropa dos Lanternas Verdes.

 

A avaliação

Para uma leitura de um grande e reconhecido Lanterna Verde, e em sendo especificamente o icônico Hal Jordan, faltou muito. A verdade é que a leitura não empolga, o inimigo não fascina, a mitologia não causa sede… é uma arte válida e importante, mas sem um motivo óbvio. O roteiro é confuso em alguns momentos, e o argumento é bem básico.

A verdade sobre os Lanternas Verdes é que eles sempre serão, na mitologia da DC Comics, uma categoria de personagens bastante adorada pelos fãs — e isso enquanto a macrocategoria de Lanterna sempre será visada também. E com razão, já que figuras como Kilowog, Tomar, os Guardiões, Oa, Sinestro e Atrocitus (que por exemplo os fãs de Injustice atualmente conhecem muito bem) tem seu carisma próprio.

Mas é necessário que as tramas que envolvem tais legendários elementos não debrucem sobre isso. E verdade seja dita, Emerald Dawn I é qualquer coisa, menos um conto absolutamente inesquecível.

Temos fé que o segundo salvará.

Slip Questão

Acadêmico de tecnologia, fã de séries, animes e filmes, programador, editor de vídeo, legendador, tradutor, leitor da DC Comics e guitarrista. Carioca nem sei o porquê. Mas acredita que o melhor sabor de pizza é de calabresa, que tempo bom é frio e chuvoso, e que a guitarra que toca nunca será mais importante do que a música que escuta.

%d blogueiros gostam disto: