A história das histórias em quadrinhos e a aurora dos super heróis

Artigo originalmente escrito por Ricardo Oliveiraa

Depois de muito tempo… Finalmente retornei meu caro leitor! Desta vez, para narrar para vós, a história das nossas queridas histórias em quadrinhos. Sei que poucas pessoas realmente tem conhecimento sobre isso, porque já vi muitos se perguntando coisas que são facilmente explicadas. Então pensei “Por que não?”. Aqui nós iremos, contar como nosso querido Batman chegou a onde está hoje. Como nasceu o Superman, e todos os super heróis que conhecemos hoje. Lembrando que isto é a história por trás das histórias em quadrinhos. Se eu fosse contar todas as histórias regulares da DC teríamos aqui um texto de 100.000 páginas. Então… Vamos a história.

Para aqueles que não conhecem bem, as histórias em quadrinhos, e sua história de publicação, são divididas em 4 eras:

A era de ouro
Action23
A era de prata
61de-ua6npl
A era de bronze
34059-796-38033-1-batman
A era moderna

1326992841_cvr

Começaremos pela é claro, a Era de Ouro. Devo deixar  claro que como sempre, coisas que falarei aqui são meramente minha opinião. Como qualquer fã de quadrinhos, e qualquer ser humano, eu possuo opiniões sobre, roteiristas, desenhistas, e outras personagens históricas.

A história das histórias em quadrinhos e a aurora dos super heróisFlash-Gordon1Inicialmente, na era de ouro, quadrinhos eram coisas de jornais. E é claro, ainda não haviam super heróis. O primeiro que pode ser classificado como herói que conhecemos, foi o chamado Pimpinela Escarlate, que surgiu em 1903 em um livro para peças de teatro. O primeiro super-herói de verdade, só 574-1veio com o Super-homem, que até mesmo começou este termo. Antes dele, é claro que tínhamos heróis, como o Zorro, Tarzan, Flash Gordon, entre outros.
Porém, de volta as tirinhas de jornal.

Um belo dia, um senhor chamado de Malcolm Wheeler Nicholson, fundou uma companhia que viria a se tornar nossa amada DC comics. Quer dizer, pelo menos uma delas.
Estamos falando da National Allied Publications. Senhor Major Malcolm decidiu que iria começar a reunir as tirinhas de jornais, e juntar em revistas, em 19. Assim surgiram as primeiras revistas em quadrinhos, que eram muito maiores do que conhecemos hoje.
Todavia meus queridos leitores, apenas em 1935, pelo próprio Major, decidiram que iriam começar a publicar coisas originais, revistas principalmente de ficção científica. Que não eram lá ficção científica. Pode se dizer que era fantasia e ficção científica… Algo como um Star wars, digamos assim.

Em 1938, nosso querido major se deparou com dois homens que mudariam completamente as histórias em quadrinhos como todos conheciam. Estamos falando de Joe Schuster e Jerry Siegel. Estes, desde jovens, eram judeus fascinados em ficção científica. Quase como eu, só que tirando a parte do judeu.
Em junho de 1938 meus amigos, nasce uma revolução. Não apenas na literatura, mas também, em todas histórias em quadrinhos. Aqui nós vemos nascer na Action comics número 1, o Super-homem…

 

 

O início de uma era…
0D8jpaP

Como qualquer revista de ficção científica da época, a Action comics trazia histórias de personagens salvando vidas, tramas intergaláticas, coisas do tipo. E logo no primeiro, nos deparamos com o Superman, dando um sopapo nos bandidos. Como a maioria dos personagens da época, Superman possuía uma origem mais fantasiosa, e menos ficção científica. Incluindo a parte dele vir de outro planeta, e no momento da fantasia, poderíamos ver ele convivendo em conjunto com as pessoas.
Não era apenas o Superman que atraía as pessoas. O Clark Kent, era um humano, o seu disfarce, e um americano padrão. Vale lembrar que ele ainda não era humanizado o suficiente para que a história adentre em sua vida. As pessoas gostavam do Clark Kent porque ele era um espelho do americano comum. Qualquer um podia ser um deus ao seu lado. Ele era basicamente a personificação do sonho americano.
A revista fez muito sucesso, a partir desta, Superman começaria a aparecer em todas Action comics, como o carro chefe da editora. O motivo do sucesso era bem simples, a boa e velha falta do que fazer. Quando as pessoas não possuíam playstations 4, ou Xboxes, e muito menos televisões, as crianças costumavam comprar revistinhas.
Chegou a um ponto que o Superman estava ganhando mais vendas do que jornais. Mais para frente, o Superman começa a vender 1 milhão de cópias. E isso é um absurdo para uma revista até hoje. Se pretendermos contar o número da população daquela época, metade delas liam a revista do Superman.
Vale lembrar que na época havia pouquíssimo conteúdo de quadrinhos. Hoje se você for um fã aficionado que seja, é impossível comprar todas as publicações lançadas. Naquela época era bem possível, já que o tempo de espera entre uma edição e outra era grande, sem falar, é claro, no preço.

Vale lembrar que existe uma história de 1933 que apresentava um super-homem diferente, em uma história chamada de “O reino do Super-homem”. Que fala de um cientista, com poderes telepáticos, bem parecido com o Lex Luthor atual, que dominava um mundo.

Detective_Comics_27
Então, para bater o personagem que havia feito uma evolução na época, conheceremos aqui outra revolução. Um dos melhores heróis de todos, personagem favorito de muita gente, incluindo meu (logo atrás do Superman) Batman! Que surgiu pela primeira vez em Maio de 1939, na Detective comics número 27. Que acabou sendo o título continuo mais longo da histórias
Aqui, assim como no primeiro Superman, não vemos um herói parecido com o que conhecemos. Nesta revista, vemos um Batman completamente diferente, que usava armas, matava. Era como a versão antiga do Justiceiro da Marvel.
Mais tarde, a National Allied adotou o nome de DC, fazendo alusão a sigla do Detective comics, para que vocês entendam a importância desta revista.osombra
O Batman era diferenciado porque era um herói que enfrentava a violência urbana. Ele nasceu com isso. Batman nesta época era um Detetive. Coisa que muitos roteiristas esquecem, que o Batman é um detetive (entre outras coisas, na verdade).
Honestamente, nessa época o Batman não me agrada muito. Eu acho ele diferente demais do que conhecemos hoje. E as histórias dele não tinham fundo. Era simplesmente coisas jogadas.
Claro que para época era algo excelente. Imagine você uma criança nessa época, vendo algo assim. Primeira vez que o-homem-que-rivocê lê algo parecido.
Meu problema não é nem exatamente com o uso de armas, é mais para o tipo de história.
Mais tarde, Batman começou a evoluir. Mas falaremos disso em breve.
Eu realmente sou fã do Batman. Não me levem a mal. Li todas as histórias possíveis que poderia ler do Homem morcego. Sou parte de um fandom inteiro dele, eu tenho realmente um carinho pelo personagem, e sei a história de publicação, e conheço fases que algumas pessoas nem sonhariam que existia, agradeço muito pelo personagem ter sido criado, mas nessa época, não recomendo a leitura, e o Batman foi sim uma cópia de outras personagens da época. CÓPIA, sem cuequinhas verdes. Existem fãs do Batman que não admitem isto, mas o Coringa foi copiado do Homem que ri, e o Batman foi em muito copiado do Sombra, Doc Savage, e só fez sucesso por seu visual diferente, e como dito anteriormente, ele combatia a violência urbana.

Saindo das minhas opiniões, de volta a história, devido ao sucesso dos personagens que acabamos de falar sobre, todas as editoras de repente tinham seus heróis com roupas colantes, e cuecas por cima da calça. Que eram padrões visuais dos circos da época. Principalmente “O homem mais forte do mundo”. Cujo qual estes possuíam cintos largos, e as famosas cuecas, para não ocorresse nenhum dano a coluna no momento em que estivessem levantando peso, ou fazendo alguma tramoia. Além do que, marcar um personagem com uma roupa destas, mostra que é algo fantasioso.

All-Star_Comics_Vol_1_3Em 1940 o mercado estava infestado de heróis. Estamos falando da famosa Sociedade da Justiça. O Lanterna verde (Alan Scott) Flash (Joel Ciclone) lideravam o mercado.
Vale lembrar, que estes heróis não são originais da DC comics, e sim, foram comprados, e incorporados.
Eu sou um dos poucos defensores do Jay Garrick, devo ser uma das poucas pessoas que acham o visual, e o nome nacional dele, mil vezes melhor. Espero que algum dia eu encontre pessoas que entendem o que digo.

 

 

 

 

 

E uma dessas editoras concorreTimely-Comicsntes da DC, se chamava Timely comics, e mais tarde, se tornaria Atlas Atlas_Comics
comics… E logo depois, se tornaria, em 1960, a querida Marvel comics. A DC estava pioneira, com seus personagens, e a Timely, havia lançado depois, seu super herói de sucesso, conhecido como Tocha humana (O androide, não o do Quarteto) e nesta época, já teríamos o Namor, que também foi uma evolução a mais na indústria, já que ele se tornaria o primeiro anti-herói. Diferente do Batman desta época, que já havia tomado características totalmente diferentes das quais ele foi 2118818-batman10concebido, agora, Batman possuía um uniforme azul, e havia adotado um caráter mais “pai” por causa do Robin, o Namor muitas vezes voltava-se contra a raça humana, e os enfrentava, já que ele era o vilão das histórias do Tocha humana. Era possível notar sua aparência oriental. Muitos vilões destes heróis americanos, como o Ming, em Flash Gordon, possuíam esta característica xenófoba. E o mais engraçado de tudo isto é que durante o esforço de guerra (Que falaremos logo) o Namor luta a favor dos Estados Unidos na guerra, por que não?Stan_Lee_by_Gage_Skidmore_3

Em 1939, um adolescente chega para trabalhar na Timely comics. E ele vai como apenas um auxiliar geral. Seu nome? Stanley Martin Lieber. Excelsior! Muitos de vocês devem conhecer ele pelo pseudônimo de Stan Lee. Mito. Sem ele os quadrinhos com certeza não seriam o que são hoje. Bom. Stan Lee só entrará na história mais para frente. Mas por que introduzi ele agora? Vejam só o que é interessante.
Quando Stan Lee podia falar algo nas conversas, ele falava que sempre achou que o público das histórias em quadrinhos podia ser maior. Porque, até então, a imagem das histórias em quadrinhos eram apenas para crianças. E esta era a realidade do mercado.
De volta a DC, mais uma vez, ela ditou uma tendência de mercado, já que graças a ela, muitos heróis começaram a ganhar sidekicks. Estou falando de heróis que você nunca ouviu falar, com sidekicks que você nunca ouviu falar. Já entre estes, temos o exemplo do Aqualad, por exemplo. Que você deve conhecer, porque este em especifico ficou famoso. Porém este não era o único. A questão é…

Whiz2Essa coisa toda de sidekicks crianças, culminou em um personagem único, que eu adoro, sou um grande fã. Estou falando é claro, do Capitão Marvel. Pertencente a Fawcett.
SHAZAM!
Que também não um personagem original da DC na época. Ele só havia se juntado depois que a DC achou que o mesmo era muito parecido com o Superman, e vendia mais do que ele. Então, em um processo judicial nada amigável, a DC conseguiu os direitos da personagem (Apenas 22 anos depois), e acabou levando a Fawcett a falência. Capitão Marvel acabou se tornando a ovelha negra da família, e só se tornando um personagem de responsa mais tarde. É uma pena, porque o Capitão Marvel é um dos meus heróis favoritos da DC.

 

 

Os super heróis vão a guerra

batman1

 

 

E cá estamos nós, em plena segunda guerra mundial, todas as revistas em quadrinhos estavam no esforço de guerra. Elas eram distribuídas ndownloado captain-america-1campo de batalha. Afinal, tinham soldados que cresceram lendo histórias em quadrinhos.
Estou falando de todos os heróis. Superman, Batman, e tudo que vocês possam imaginar, estavam contra Hitler em suas HQs. Há aqueles, como sempre, que falam que o governo forçou as pessoas a escreverem histórias das guerras. Considerem isto balela. Como várias das coisas citadas anteriormente, a DC ditava a moda no mercado. E foi desta forma, que todos começaram a escrever sobre isto. Querendo ou não, era uma forma de lazer barato para as tropas. Imagine você em uma tenda não sei aonde? Por que não dar uma revista para a pessoa se divertir um pouco?
Sem contar, que antes de Pearl Harbor, isto já estava em assuntos americanos.
Não só tudo isto citado acima, como também ajudou algumas marcas, como por exemplo nosso querido Super-homem. A um certo tempo, se esgotam os tipos de história que ele poderia viver. A quantidade de vezes que o mesmo enfrenta leões e outros animais inicialmente é grande, e como nesta época, o conceito de Super vilão ainda não estava lá formado, Kal-El enfrentava apenas bandidos de esquina. O que convenhamos, ficava chato a um certo tempo.
E o maior esforço de guerra senhoras e senhores, vindo da Timely, foi uma lenda conhecida como Capitão America. Que veio com proposito oficial de lutar a guerra. Um bom exemplo disso, é que na primeira capa do Capitão America, é mostrado o mesmo dando um cruzado de direita na cara do Hitler! O herói patriótico perfeito, e é claro, já veio com o Bucky, que era seu sidekick criança.
Vale lembrar, que nesta época o Capitão America nem era um herói tão forte em personalidade assim, já que ele copiava um herói que já era famoso na época. Por isso teve que mudar seu escudo mais tarde. Ele foi se tornar apenas um personagem forte, quando Stan Lee reviveu ele mais tarde na Era de prata. Porque principalmente durante a guerra, ele foi só mais um que tinha esta aparência. Porém, nesta época, ele vendeu muito. E não foi pouco, foi MUITO.

Wonder_Woman_Vol_1_1A DC contratou um Psicólogo chamado Dr. William Moulton Marston, em parceria com H. G. Peter, e ambos criaram a personagem patriótica que hoje conhecemos como Mulher Maravilha/melhor personagem. Uma heroína mulher, que era uma novidade na época.
A personagem como a maioria dessa época não fazia muito sentido. Era supostamente para ela ser uma semi-deusa, esculpida do barro, porém, ela veio com um uniforme com a bandeira americana. As histórias eram cheias de easter eggs fetichistas, e eu aposto que a garotada da época se divertia muito.
Se tem uma coisa que defendo, é que nesta época, não era necessária a internet para vocês sabem o que, era só ir na banca e comprar a revista da Mulher Maravilha do mês. Pra vocês terem uma ideia, o Dr. William Moulton, além de ter o desejo de que as mulheres dominassem o mundo, ele era bígamo. E além de tudo, havia ajudado a inventar o detector de mentiras.
A Mulher maravilha criou sim uma diferença no mercado, já que antes dela, não haviam personagens heroínas masculinas. Ela foi a primeira, e junto com ela, vieram várias heroínas femininas que hoje conhecemos. Já que nesta época, a maioria das coisas, era voltada para o público feminino.

 

 

 

O código de autoridade dos quadrinhos

Approved_by_the_Comics_Code_Authority

Depois da guera, o publico dos nossos queridos escritores de quadrinhos, agora estavam mortos, e eles não tinham mais para quem vender muito
bem. seduction-of-the-innocent-13
Após a guerra, e o lançamento da bomba atômica, os
Estados Unidos entraram em um terreno, onde inicialmente era achado que tudo iria se sair bem, e uma prosperidade viria, pois, nesta época era uma de prosperidade econômica para os norte americanos (America fuck yeah!).
E também, podemos ver aqui a ameaça indo de nazistas e japoneses, para comunistas.

125_strangeadventures_1961feb_andersonO dogma moralista forte, estava nascendo nos Estados unidos. E então, um psicólogo muito gente fina, conhecido pelo nome dado a ele pela sua mãe de Fredric Wertham, decidiu que os quadrinhos eram uma péssima influência, já que ele trabalhava com delinquentes, e quando chegava lá, via os mesmos com a camisa do Batman o mesmo trabalhava com delinquentes, e quando fazia sua pesquisa, descobria que eles liam quadrinhos. E isso significa que quadrinhos te tornam delinquentes. Então, ele escreveu um livro conhecido como “A sedução dos inocentes”, excelente livro, que ele tasca o pau nos quadrinhos.
Eu não tiro a razão dele, já que nessa época estava realmente uma baixaria muito grande.
Tem um fato muito interessante, que a um certo momento, eles decidiram sei lá como, que os gorilas aumentavam as vendas. Então, a um certo ponto, a DC começou a ditar quantas vezes poderiam ter gorilas na capa. E depois, pessoas cgorilla2horando, e pessoas voando na capa faziam as vendas aumentarem. Sendo assim, em uma capa, é possível ver um gorila chorando e voando. De volta ao Sedução dos inocentes, eu acho que tem coisas exageradas ali, claro. Mas… Logo logo começou a ser investigado, e foi fundado assim o Código de autoridade dos quadrinhos (Comics code authority) que proibia tudo de muito, sexy, tudo de muito violento, tudo de muito assustador. Nesta época, os heróis ganharam moralidade. O Superman se tornou o escoteiro que conhecemos. E o Batman, junto com o homem de aço, passaram a não matar.
Não existiam anti-heróis, e como já não possuíam humanidade, passaram a ter menos ainda. É claro, que com o tempo, no final dos anos 60, a visão do que podia e não podia, começou a mudar. É claro. Vários heróis começaram a ter suas ultimas edições, e entraram no limbo. Revistas foram canceladas, e revistas saíram. Óbvio que o Batman, Superman e Mulher Maravilha, queridinhos da editora, não mudaram nada. Então, os heróis caíram mais e mais, as revistas de faroeste e ficção científica começaram a fazer sucesso. De certa forma que o Batman era comum ser visto enfrentando alienígenas e seres de outra dimensão e… Gorilas gigantes. Interessante notar, que nesta época, a mídia das histórias em quadrinhos começou a mudar, e a rebeldia mudou, porque lá estava nascendo o Rock and roll. Tudo é cíclico meus amigos.

E aqui… Termina a era de ouro.

A era de prata

Showcase_22 Os primeiros a serem All-American_Comics_16renovados, foram o Flash, e o Lanterna verde, que deixaram de ter suas revistas como Alan Scott, e Joel Ciclone, então, passaram a ser Barry Allen,Flash_comics_1 e Hal Jordan. Ambos ganharam uma origem mais ligada a ficção científica. Flash foi atingido por um raio, e ainda elementos químicos. Enquanto Lanterna verde, passou a ser o nome dos patrulheiros espaciais. Nesta época, esses personagens tinham uniformes completamente diferentes do que havia sido feito na época.
De repente veio uma ideia… Já que temos tantos heróis assim, vamos fazer um grupo de super heróis! A Liga da justiça!

Mais uma vez a DC comics ditando o mercado. O sucesso foi estrondoso. É de se entender. Imagine só ver seus heróis favoritos juntos em uma revista só, juntando forças contra um inimigo aterrorizante?
Isso fez tanto sucesso que chegou as mãos do diretor da Marvel comics na época. Nesta época em especifico, a Marvel estava chegando quase a falir. E Stan Lee já era um escritor lá. O problema é que como essa história de equipe de super heróis estava vendendo, nosso querido Martin Goodman jogava golfe com o editor da DC na época. Que disse: “Nós estamos com uma revista de muito sucesso na DC! A Liga da 3807-1995-4198-1-flash-thejustiça.” Então, Goodman chegou para Stan Lee e disse: “A DC tá fazendo mó sucesso lá com uma revista… Justiça sei lá o que, faça o mesmo” 61de-ua6npl(Atenção, as palavras podem não estar iguais as originais ditas na hora) Stan já estava a muito com vontade de fazer personagens humanizados, com uma origem mais… Ficção científica. Porém não sabia se faria sucesso. Então, falando com sua mulher, ela disse “Já que a Marvel está perto da falência, faz o que você quiser. Se não der certo fecham as portas, e se der, você lucra e salva a empresa”. E assim foi. Senhores e senhores Senhoras e senhores, em 1961, chegou as bandas a revolução das histórias em quadrinhos. Estamos falando do primeiro exemplar de Quarteto fantástico. Eu pessoalmente, sou um grande fã das histórias do Quarteto. Provavelmente são minha equipe de heróis favoritas, e provavelmente são os únicos que possuem uma revista inicial que eu gosto de verdade aprecio bastante. Nesse trabalho… Fantástico de Stan Lee, e Jack Kirby, podemos ver personagens verdadeiramente humanos pela primeira vez. Eles nem mesmo usavam um uniforme (Não é explicado como a roupa do Sr. Fantástico estica com ele, Fantastic_Four_Vol_1_4mas isso a gente releva). Na história, é mostrada a introdução do Quarteto, em plena corrida espacial, onde Reed Richards planeja chegar a lua com seu foguete. O problema, é que seu projeto foi suspenso até segunda ordem. A equipe para a lua Reed Richards, Sue Storm, Johnny Storm e Ben Grimm, decidiram então roupar o foguete e chegar sozinhos. Infelizmente no caminho, os escudos contra raios cósmicos estão baixos, e eles são atingidos por rajadas. Ao chegarem na terra, descobrem que seus corpos sofreram mutações, e assim, os transformaram no incrível Quarteto fantástico, e decidiram assim, proteger a cidade de Nova York contra ameças. Não preciso dizer que mais tarde eles começaram a usar uniformes, porém, pelo menos até a edição número 4, eles faziam tudo muito clandestinamente, e combatiam seres alienígenas, e tinham histórias de mais ficção científica, como a época mandava. Logo na primeira edição, os mesmos enfrentam uma história totalmente complexa para época, onde o Quarteto bate de frente com um dos piores rivais, o Toupeira, que controla um monstro horrendo, e pode se mover pelo subsolo. Inicialmente, a Mulher Invisivel não ficava realmente invisivel, os membros apenas diziam: “Ignora essa mulher aí” para os inimigos. E a partir desta edição em especifico, o Quarteto fantástico fez um sucesso sem igual com os adolescentes, e até alguns adultos. Pela primeira vez, quadrinhos não eram mais coisas de crianças. Lógico que demorou bastante para a entrada disto na mente popular, mas aí, se inicia uma nova era. A DC comics foi totalmente batida, já que seus personagens na época só atraíam as crianças. E os adolescentes começaram a ler mais e mais quadrinhos da Marvel. Eles se identificaram. Os personagens tinham defeitos. Eles eram humanos. Nessa coisa toda de humanos, veio o meu herói favorito da Marvel. Estamos falando senhoras e senhores, do Espetacular Homem aranha!

 

 

Amazing_Fantasy_Vol_1_15

 

Esse personagem é a representação de porque a Marvel fez sucesso na era de prata. O Homem aranha era o personagem que fazia os adolescentes se identificarem. Ele tinha unhas encravadas. Precisava pagar contas, era um estudante. Sofria bullyng. Tudo isso era extremamente novo, até mesmo para Billy Batson, o Capitão Marvel. Os adolescentes simplesmente viram o Homem aranha neles. Ele se feria, combatia o crime, e acima de tudo, tinha uma revista extremamente divertida. Logo na primeira revista, vemos Peter Parker tendo que começar a trabalhar, já que seu tio havia sido morto, e sua tia não podia trabalhar, pois estava velha demais. Então, ele assume a posição de fótografo do Clarim diário, já que não podia continuar uma carreira no cinema, pois o J.J Jameson havia tascado o pau no Homem aranha, ferrando ele na opinião pública.
Eu pessoalmente sou um grande fã do Homem aranha, admito, ler as histórias do Homem aranha é uma coisa divertida, e muito. Pessoas que já leram como eu sabem como é uma coisa muito entretedora se fazer. E aos poucos você começa a perceber como o Homem aranha pensa que nem você. Ele faz tudo que você faria em situações como aquelas. Quem não tentaria tirar proveito dos poderes? O Homem aranha tenta, porém nunca cogita tentar o crime. Ele tenta até mesmo seguir uma carreira no cinema para pagar suas contas! Porém, como dito anteriormente, J.J acaba com a opinião pública dele, dizendo que o mesmo é uma má influência.
Não preciso dizer que a revista fez muito sucesso entre os jovens, e todos passaram a adorar o Homem aranha, que logo logo ganho sua revista mensal oficial.
Nessa época, começamos um novo capitulo.

A pira de Stan Lee

1355017-uxm_v1_001_01

E aqui estamos nós, na era Marvel. Onde eles faziam mais sucesso. Aqui, Stan Lee começou a criar muito, mas muito, mas muitos personagens que se tornaram clássicos. Devo admitir que eu não gosto de alguns, podem me chamar de fanboy da DC. Vão em frente. Eu gosto mais dos heróis de lá, claro, mas não deixo de ser um grande fã da Marvel. Digo… De alguns. Vocês entenderam.
Seguindo a cronologia, logo em 1963, Stan Lee cria outro grupo de super heróis, a pedido de seu chefe, que mandou ele fazer o mesmo. Uma históriaIron_Man_Vol_1_1 Incredible_Hulk_Vol_1_1muito conhecida, é quando Stan Lee, que já devia usar suas substâncias, transtornado, fala para sua mulher, que também já deveria usar as mesmas substâncias: “Agora tenho que criar outro grupo de super heróis. E agora? Como inventarei um poder para cada um deles?” e sua esposa, em uma sacada que mudaria o curso das histórias em quadrinhos, disse: “Por que eles não nascem com os poderes?”. E assim, surgiram os Estranhíssimos X-men!
Isso foi revolucionário, já que nem mesmo o Super-homem nasceu com seus poderes, ele apenas os adquiriu depois de sair de Krypton, somado a absorção da radiação durante a viagem. Os X-men, criaram uma discussão social inteira, onde “Somos odiados, mas lutamos para proteger aqueles que nos odeiam”, os humanos odeiam os mutantes, já que são diferentes. E os mesmos, são descritos como o próximo passo da evolução. Pessoalmente, não sou muito fã dos X-men. Acho o conceito deles interessante, porém, mal desenvolvido. Não gosto muito, mas sei que tem pessoas que são apaixonadas e respeito isso. Apesar de tudo, eu já li sim X-men antes de falar sobre. Não se preocupem.
Tudo que o Stan Lee criava, tinham conceitos geniais para as histórias em quadrinhos da época. Nunca ninguém pensara em fazer algo assim. Discussões sociais nos quadrinhos eram coisas que nunca haviam sido feitas antes! Stan Lee começa assim, a revolucionar Daredevil_Vol_1_1tudo, com seus personagens totalmente humanos, que vieram um atrás do outro. Homem de ferro tinha uma fraqueza, que era a bebida. E era anti-comunista, como a maioria da época. O Bruce Banner odiava ser o Hulk, e era transtornado por isso. O Demolidor tinha problemas como o Homem aranha, e era cego. O Thor era um deus, porém carregava seu alter ego de Dr. Donald Blake. E o mesmo tinha problemas nas pernas. Tudo começou a fazer sucesso. As pessoas dclogo03viraram fãs da Marvel, e começaram a querer mais e mais. Então, surgiram os Vingadores, com as criações de Stan Lee que eram muito famosas na época, principalmente entre os adolescentes. E então, começamos a Era Marvel. Não que a DC não fizesse sucesso na época. Basicamente eles se recusavam a mudar a assinatura dos heróis. Mas, o Superman era o carro chefe da editora. O peso dele era tão grande, que a um certo momento, o nome da editora mudou para “Superman DC national comics”.
Há várias versões do que realmente acontecia na Marvel. Dizem que o Stan Lee nunca criou os heróis de verdade. Bom, ao meu ver, ele era Avengers_Vol_1_1mais o cara explosivo. Ele vomitava a ideia, porém, o Jack Kirby que lapidava. Que dava vida. Tanto que quando os dois se separaram, Stan Lee não fez nenhum trabalho admirável de verdade. Stan Lee se tornou mais um personagem do que tudo. Por outro lado, o Jack Kirby Captain_America_Vol_1_100fez trabalhos incríveis quando saiu, como Os Novos Deuses, que é simplesmente incrível, e totalmente diferente.
Ele já tinha inventado tantos super heróis. Poderes diferentes, aranha radioativa, lixo tóxico nos olhos, deus, tudo que vocês podem imaginar. Os
heróis seguiram a linha da humanidade. O Quarteto fantástico foi o primeiro grupo que faliram devido a bolsa de valores. Nessa brincadeira de humanizar personagem, trouxeram de volta o Capitão America, já humanizando ele novamente, e tornando um super herói aceito, quando foi encontrado no gelo pelos Vingadores.
Destes super heróis, devo admitir que sou muito fã de todos. Admiro muito o trabalho do Kirby e do Stan Lee, apesar de meu favorito ser o Homem aranha, eu gosto bastante dos outros, exceto é claro os X-men.

Uma coisa que é interessante de se adicionar, é de que o primeiro herói negro, o Pantera Negra, surgiu nesse tempo, nas revistas do Quarteto fantástico. Antes, é claro, já haviam personagens negros. Porém, nenhum reconhecido.Green_Lantern_Vol_2_76
Black-Panther-Vol-1-5-Free-DownloadE isso trouxe toda uma tendência a trazer problemas da sociedade cada vez mais para dentro dos  quadrinhos. E aquilo de super heróis com mãos na cintura, e peito estufado, simplesmente não entravam mais. A sociedade havia mudado muito, e aquela galera certinha não existia mais. E ai, a DC começa a trazer problemas sociais para suas revistas. Eles só demoraram, porque tinham sua fórmula de 40 anos atrás, super heróis com peito estufado e mão na cintura como sempre.
Então, a DC foi buscar e reforçar sua fórmula. E já nessa época, começamos a entrar na Era de bronze, onde o Arqueiro verde e o Lanterna verde se juntam. E isto se torna uma das minhas fases favoritas, não só do arqueiro quanto do lanterna verde. Pois aqui, eles se juntam, e posteriormente com a Canário negro, maravilhosa Canário Negro, para sair pelo pais descobrindo problemas sociais, com o incrível roteiro do nosso querido O’Neil Adams.

Existe inclusive um encadernado muito bom, que recomendo a compra para os fãs do Lanterna verde e do Arqueiro, porque esta se torna uma das melhores fases que já ocorreram na DC na minha opinião. Eles discutiram racismo, e tudo demais. E tem uma história SpiderMan96muito legal, onde o Lanterna verde encontra um senhor negro, que fala assim “Eu tô sabendo que você trabalha aí pra uns caras de pele azul, já lutou com uns de pele laranja… Mas e nós aqui da terra? há umas cores de pele que você nunca ajudou”.
Nessa época também, o Stan Lee recebeu uma carta, de um setor governamental de saúde, pedindo para que Green_Lantern_Vol_2_85discutisse o problema das drogas, que era muito frequente nos EUA naquela época. Ele até havia escrito uma história onde o Harry, filho do Norman Osborn, o Duende verde, se viciava, porém, obviamente não foi aprovado pelo Selo. Então, ele pensou “Não vou desperdiçar essa história né…”
E então, pela primeira vez em muitos e muitos anos, a Marvel teve a coragem de publicar sem o selo, quebrando
assim o Comics Code authority.
Eles publicaram 3 meses sem o selo, e ninguém estava se drogando por causa disso. Eles fizeram o selo repensar mais seus conceitos, e revê-los e começaram a abrandar mais tudo.
A DC, é claro, não ficou de fora, e publicou uma história, onde o Ricardito, ex parceiro do meu querido Arqueiro verde, usa heroína ao vivo

A crise nas infinitas terras

crise-nas-infinitas-terras

A um certo momento, nossa querida DC comics tinha tanta publicação, mas tanta, que era impossível você entender tudo. Até mesmo se comprasse as 844671edições. Já que agora todos eram divididos em terras. As pessoas compravam uma HQ na banca, abriam, e era impossível entender alguma coisa que ali estava acontecendo. E você ainda tinha sendo publicadas, as histórias antigas, que seguiam outras linhas. Eles estavam atirando para todos os lados. Os personagens que eles haviam adquirido em outras editoras, estavam em ativa na Sociedade da Justiça, e de vez em quando se encontravam com heróis como o Aquaman, e não fazia sentido algum, já que seguia outra cronologia.
A Marvel estava evoluindo em suas histórias, uma gama completamente diferente. Os X-men eram outras pessoas, o Wolverine possuía histórias bem desenvolvidas, e todos heróis conversavam sem problema algum.
Já a DC tinha milhares de histórias, em lugares diferentes, em tempos diferentes. A um certo momento… Todos se perderam. A primeira sociedade da justiça tinha um Super-homem. A segunda também tinha um Super-homem.
Então, veio a ideia da Crise nas infinitas terras, que iria causar um reboot em tudo. A DC teve essa ideia depois das Guerras secretas, que foi motivado pela reunião que as Guerras secretas tiveram. Eles estavam em um ponto que não se podia fazer nada diferente, os leitores não entenderam mais nada. Então, tiveram a ideia de colocar tudo em um mundo igual, e reunificar tudo.

A década de 80, e a revolução do gênero

Swamp_Thing_Vol_2_25

 

Watchmen_1 alanmoore-simpsonEstamos falando de Frank Miller, Alan Moore, Neil Gaiman, todos chegando com pé na porta, e mostrando como se conta uma história. Primeiro temos o Alan Moore, desconstruindo tudo que conhecemos como Super heróis na Era de ouro, no Watchmen, a história definitiva de Super heróis. Assim que acabou o Crise nas infinitas terras, a DC encomendou que os autores fizessem releituras de personagens que continuariam na linha regular. Para o Alan Moore, sobrou fazer personagens conhecidos na Charlton Comics. O Pacificador, Besouro azul… Essa galera. E o Alan Moore fez uma história tão pesada, mas tão pesada, que o editor olhou e falou “Cara… Não podemos publicar isso em uma história mensal. Aqui tem estupro. Mas… A história é muito boa. Será que você não quer adaptar ela?”, já que naquela época quadrinhos se tornaram coisas cult, e estavam virando Graphic novels. Tinham lojas especializadas para quadrinhos. Os nerds iam para se reunir nas lojas de quadrinhos. Além do mais, você tem aquela coisa de que os leitores de quadrinhos cresciam com o tempo. E assim, começaram a exigir mais. Não se contentavam mais com aquela bobeira dos personagens que liam quando eram crianças. A indústria estava evoluindo. O Lex Luthor que era um cientista maluco, virou um empresário, havia se tornado um espelho do novo vilão copiado do rei do crime coff coff coff. E até mesmo o Robin havia morrido.
E nessa época, o Batman também havia finalmente pegado o caráter que tanto amamos, de personagem sombrio. Não que eu não goste do Batman ficção científica. Eu gosto. Mas convenhamos, o Batman sombrio, enfrentando violência nas ruas era muito melhor. Com a morte do Robin, Bruce fica cada vez mais agressivo. E se torna sedento por justiça e vingança. O arco é extremamente interessante, e vale a pena ser lido por qualquer fã do dark-knight-returns-comic-01Batman. Ainda mais o Demolidor, que nessa época tornara-se um personagem de segunda linha na Marvel, começou a ganhar o mesmo caráter do Batman. E se tornou um personagem que eu gosto muito, e me tornei um grande fã (De que que eu não sou fã?) ele criou a Elektra, que é uma personagem muito legal. Matou ela 14 edições depois, transformando a história em algo interessante, ainda mais Daredevil_Vol_1_184quando ele reescreveu.
Devo admitir que essa é minha fase favorita das mensais do Demolidor.
Então meu caro leitor. Em 84, temos uma das melhores obras do Batman finalmente indo a tona. Aqui, o Cavaleiro das trevas de Frank Miller (Mais tarde fez também Batman Ano Um que é uma ótima história, de origem definitiva, e deve ser lida). Um altar de adoração a qualquer fã do Batman. Para você que
não leu (Shame on you!) nessa história, o Batman esta velho. E Gotham em meio a uma espécie de juízo final, onde tudo, incluindo o calor e a criminalidade começam a piorar. Então, Batman volta, lutando contra a corrupção, e os crimes. E no final da história, ainda temos uma luta épica entre o Batman e o Superman, onde o Arqueiro verde atira uma flecha de Kryptonita para derrubar O Homem do amanhã.
Muita gente acha que é um pouco forçado o Batman derrotar o Superman. E muita gente, mais ainda, acha que eu como fã do Superman, deveria achar isso forçado. Bom, acho que isso é aceitável, e completamente. Já que na história, ele traça um comparativo entre o Superman sendo o governo, e o Batman sendo o povo. Eu acho totalmente interessante a revolução que é causada em Gotham. Isso tudo e outras coisas, tornam essa história algo que deve ser lido, caso você seja fã de quadrinhos, ou queira ser. Desculpa mas… Ele foi o culpado por essa geração de xiitas radicais, e fanoboys do Batman (Não que eu não seja um) mas, as pessoas deram uma interpretação errada para a derrota do Superman, e começaram a achar que o Batman derrota todo mundo com preparo, o que é verdade um absurdo, naturalmente, as pessoas acham que o Batman tem uma aura que torna as pessoas burras.

Vamos pular Neil Gaiman, e Sandman, porque depois farei uma matéria especialmente para isso, se já não houver, é claro.

A década de 90 e a Era de Bronze

Muitas pessoas não gostam da década de 90 nos quadrinhos. Durante ela, aconteceu uma revolução sexual nos quadrinhos. O selo já tinha sido extinto, as mulheres começaram a ficar ultra gostosas, e as histórias não tinham pé nem cabeça. Virou literalmente uma besteira, sejamos francos. ph4Nessa época nasceu o Deadpool, e o Hulk usando metralhadora. E um dos seres humanos que tenho ódio nessa 375era, é o Rob Lifield. Nunca vi em minha vida, um fã do Rob Liefield, e pretendo não ver. Ele só tem o mérito por causa do Deadpool. Se querem saber minha opinião, eu acho os anos 90 em certas partes, irado. Mas é claro, vai ao meu gosto. Por exemplo, eu sou um grande fã do Todd Mcflare, e do seu trabalho em Spawn. Essa é uma boa hora para falar da Image. Já que pouca gente costuma falar. Vamos deixar pra falar da Dark Horse depois, mas quero deixar claro que gosto muito de Hellboy. De volta a Image, ela foi fundada por roteiristas que saíram da Marvel, e formaram assim essa editora, com Spawn, e revistas muito legais, como Invencível.
O Quarteto fantástico foi um dos que sofreu com isso. Sue Storm se tornou literalmente uma biscate. Quando a mesma já tinha revelado anteriormente ser uma mãe responsável, e fiel a sua família, ela começou a se vestir que nem uma… Vocês sabem.
Provavelmente uma das poucas coisas boas dessa época na minha opinião, foi o Aquaman do Peter David. Vamos ser sinceros, aqui, a DC estava com histórias melhores em roteiros do que a Marvel tinha. Aquaman do Peter David estava nascendo. Batman estava tendo sua queda, e seu retorno. Superman estava tendo histórias com alienígenas bem elaboradas, e inclusive, encontro sua morte. E a Marvel… Bom.
Eu diria que o grande problema desta época, foi que os desenhistas encontraram prioridades na área gráfica, assim ignorando as histórias. Pelo menos na Marvel. Toda história do Quarteto fantástico, tinha uma nave, os heróis pulando da nave, e indo encontrar um vilão nada a ver, em um lugar nada a ver, sem explicação, e começando uma porradaria entre eles.
Voltando a Image, o Todd ficou famoso com os desenhos do Homem aranha, então, junto com os artistas citados anteriormente, fizeram a Image, e começaram a copiar o que fazia sucesso nas outras. Sendo assim, haviam três ou quatrospawn8 , dois ou mais Batman’s… Entre outras coisas. Mas o mais diferenciado, e meu favorito, como citado anteriormente, era o Spawn. Já nessa época, 872127-death_of_supermaneles pelo menos foram um pouco úteis, e criaram a coloração digital, já que antes, eram todas coloridas graficamente, inclusive, este é o motivo do Hulk ter saído verde. Nesta mesma época, começou a ser noticiado que pessoas estavam comprando revistas da era de ouro por valores altos. E por isso nerds até hoje compram edições diferentes para vender no futuro. Eu preciso quebrar este mito aqui, para que vocês entendam porque guardar a revista que vocês compram hoje não faz sentido algum. Antigamente, a quantidade de revistas imprimidas era muito, mas muito menor do que são hoje. Então, é mais difícil achar um exemplar da Detective comics número 27, do que você achar um exemplar da New mutants que saiu 5 anos atrás, além do que, era papel. Papel do jornal, e da história em quadrinho, era recolhida, e usada em esforço de guerra. Por isso, uma história dessas sobreviver era muito, mas muito raro. Por isso que isso era caro. Essa galera de loja de quadrinhos, começou a comprar duas ou três edições da revista, achando que seu destino era ficar milionário. O que as editoras pensaram? “Bom, tem uns otários ai que estão comprando tudo que a gente lança. Vamos fazer mais”. Nessa época, foram lançadas edições metalizadas, e eles começaram a imprimir mais, edições metalizadas, e as mesmas coisas com capas diferentes. Inclusive o George Lucas faz isso. Então galera, não adianta vocês começarem a comprar a comprar duas edições hoje, porque vocês não vão ficar com muito dinheiro no futuro.
O que aconteceu? Obviamente, esta bolha estourou, e então, a Marvel abriu falência, depois que suas vendas caíram mais e mais.

A falência da Marvel

Marvel-Logo-3

Acho que merecíamos falar disso. Em 1996, depois de perder muitas vendas, a Marvel abriu falência. E isso podemos ver o resultado até hoje, porque os mesmos começaram a vender os direitos de suas franquias a preço de banana, como os X-men, o Quarteto fantástico, Homem aranha, entre outros. Então, eles tem um contrato, que quando a empresa fica por 4 anos sem fazer filme algum da franquia, os direitos voltam para a Marvel. Por isso que a cada 2 anos tem um filme dos X-men ou do Quarteto fantástico. Para que a franquia seja mantida, independente da qualidade. Apesar do que o Homem aranha tem um acordo em vigor entre a Sony e a Marvel agora (não me perguntem como funciona, que eu não faço a minima ideia, até porque não acho que tenha sido revelado) em que, a Marvel pode fazer um filme solo do Homem aranha, e agora, o mesmo será colocado em Guerra Civil. Devo admitir que estou bem empolgado para o filme, pois sou um grande fã do personagem (quarta vez que digo isso).

A crise nos quadrinhos

Ainda nos anos 90, podemos notar a tentativa das vendas tentarem ser aumentadas. Incluindo entre elas Casamento do Super-homem, a morte do mesmo, Lanterna verde se tornando vilão, Aquaman perdendo sua mão, clones do Homem aranha, Wolverine sem adamantium, Capitão America perdendo o soro de super soldado, entre outras coisas que chamavam a atenção para conseguir vendas.
Essa foi uma época da crise nos quadrinhos, o que possibilitou mais ainda de coisas sem nexo acontecerem nos quadrinhos. Apesar do que eu ache a batman-knightfall-232-page-44Queda do Morcego, e A morte do Superman boas histórias. (A DC estava até melhor do que a Marvel nessa época, já que eles faziam parte da Warner 2163735-c1 (1)já a muito tempo, e nessa época surgiu a animação de Sucesso do Batman, e do Superman).
Colocando como final dos anos 90, já temos várias alternativas para diversão. Internet, videogames, TV a cabo, e várias outras alternativas para as pessoas se entreterem além dos quadrinhos. Como você espera que uma HQ vá competir com um playstation?
Apesar disso tudo, a Marvel e a DC tinham sim personagens que eram facilmente reconhecidos pelo público. Ou seja, a adaptação para as outras mídias era uma coisa que fatalmente haveria de acontecer. Estou falando dos milhões de jogos licenciados de super heróis Marvel.

 

A era moderna

A era moderna dos quadrinhos não possuí algo que deva ser falado exatamente nem salientado, então, vou apenas falar de histórias que eu acho boas atualmente.
Primeiramente, os Novos 52, que tecnicamente começou em 2011, porém, ainda é era moderna. Os Novos 52 possuí muitas mensais que devem ser
Ms._Marvel_Vol_3_2_Molina_Variant_Textlessacompanhadas, porque são muito, mas muito boas. As pessoas costumam falar mal, principalmente do Superman, porém a maioria são saudosistas, ou nunca leram. Eu recomendo aos saudosistas que entendam que o personagem precisa evoluir. Se ficarmos presos na mesma coisa durante anos, então, acredito que muitos desistirão dos quadrinhos incluindo eu. As revistas do Batman são simplesmente incríveis, Aquaman também, muito bom, fizeram uma mensal de respeito, para este herói de respeito que é o Aquaman. Flash novos 52 também, está fantástico. Além do que, a Mulher Maravilha, comecei a ler recentemente, e estou achando muito legal (comecei recentemente, porque acabei de acabar o v2) Justice_League_0001e vamos esperar o Rebirth para tirar conclusões. Eu espero muito, ainda mais dos títulos da Mulher maravilha, Batman, Superman e Aquaman. Que são meus favoritos. Bom, já na Marvel, mais atualmente, tivemos o Marvel now! Que eu acho bom em certos aspectos, porém, eu prefiro o All new all different. Muitos personagens sofreram reformulações, e eu amei boa parte. Doutor Estranho, a Poderosa Thor, Miss Marvel está simplesmente apaixonante, Kamala se tornou uma das minhas heroínas favoritas, e o Homem aranha, que agora é milionário, e tem seu Aranha móvel.

Acho que por enquanto, só temos isso a dizer da era Moderna… Já que ela é… Bom… Moderna. O que podemos fazer é esperar.

 

 

 

 

Fala caro leitor! Ufa! Depois de muito tempo de pesquisa, e empenho, finalmente trouxe pra vocês a história dos quadrinhos como ela merece ser contada, do início ao fim. Eu não fiz uma parte da história das HQs no Brasil, porque pretendo também fazer uma matéria em especifico sobre isso. Como vocês bem puderam ver, os Quadrinhos acabam se tornando coisas fascinantes. Eles acompanham a humanidade em suas histórias. Em cada período, heróis surgem de acordo com o que é necessário. Não estou falando só sobre quadrinhos de heróis, todos. Eu gosto muito também de Tintim, Turma da mônica, entre outros, e acho as histórias impressionantes. Agora que você já sabe a história dessa coisa fascinante, você pode ir lá, e começar a ler. Recomendo que busque guias de leituras para personagens cujos quais você mais simpatiza.
Bom, se você achou que faltou algo, não esquece de deixar nos comentários, deixe sempre também sua opinião sobre as coisas, as matérias sempre demoram de ficar prontas, ainda mais quando exigem uma pesquisa cabulosa, como essa, então, só esperar um pouco que logo terão mais. Obrigado para você que leu até aqui! Um grande abraço.

Texto original de Ricardo Oliveiraa.

Raysom

Bacharel em Administração, DCnauta de coração, empreendedor viciado em chá, guitarrista aposentado, co-fundador da DC Brasil Club, Sindicato Nerd e Marvel Brasil Club.

%d blogueiros gostam disto: