1049 views 0 comments

GUIA LJA | HQs – Versão 8: Fase Rebirth

by on março 2, 2017
 

Confira aqui a última parte do nosso Guia da Liga da Justiça que abrange todas as fases da maior equipe de heróis dos quadrinhos, desde seu surgimento até a atual fase Rebirth.


Versão 8 (a partir de JL#1 de 2016 – Fase Rebirth)

Conforme visto anteriormente, a DC resolveu reverter algumas apostas editoriais de Novos 52, sendo a principal delas o seu ícone máximo, o Superman, que – acatando mais de uma década de pedidos de muitos fãs pelo fim do “escoteiro” – havia se transformado em um personagem jovem, meio rebelde e menos “certinho”, que, ao contrário do esperado, não foi bem aceito pela maioria dos leitores.

Além disso, do ponto de vista estratégico, fica complicado você manter uma versão “fora do comum” do Superman nos quadrinhos enquanto a editora vai emplacando sua versão cinematográfica inspirada – evidentemente – na caracterização clássica do personagem. Do ponto de vista dos negócios, portanto, era forçoso que a DC revisse seu plano e resgatasse o Kal-El tradicional, bem como o colocasse em evidência nas páginas da revista da Liga, justamente para não descompassar o material impresso com o que seria projetado nos cinemas.

Assim, com o fim da marcante fase iniciada em Flashpoint, a Liga da Justiça foi mantida praticamente como era em N52, com algumas exceções, sendo a principal delas – claro – o Azulão, que viu sua versão “canônica” (se é que ainda dá pra usar esse conceito nas HQs em uma realidade em que a DC restaurou seu Multiverso) retornar ainda casado com a também “canônica” Lois Lane, e agora com um filho, Jonathan Kent.

Logo em seu retorno após o encerramento da fase Novos 52, na revista #1 da equipe, a Liga se vê às voltas com o imenso Ceifador, que surge nos EUA e começa a “dominar” a população local. A Liga, então formada por Batman, Mulher Maravilha, Flash (Barry Allen), Aquaman, Cyborg (a aposta que melhor vingou na fase anterior) e dois Lanternas Verdes (Simon Baz e Jéssica Cruz), até parte para o enfrentamento, mas percebe que provavelmente não conseguirá vencer o oponente, até que o Superman (pré-N52) surge para integrar suas fileiras e ajuda no conflito, fazendo a balança pender à favor da Liga.

A estréia da equipe na versão Rebirth não foi lá grande coisa, e o nível continuou bem morno em seguida. Após o Ceifador, a Liga lidou com as Máquinas da Extinção, entidades ancestrais que começam a causar destruição em massa com o uso de equipamentos misteriosos e “coletar” as mentes das pessoas, aparentemente com algum objetivo sumário de exterminação da humanidade ou da própria Terra.

A Estirpe, responsável pelas entidades e seus objetivos, acaba sendo derrotada pela Liga, com nova atuação providencial do Superman, que vai ao interior da Terra e destrói os equipamentos, além do Aquaman, que utiliza “cristais mágicos” para evitar o triunfo inimigo.

Depois da Estirpe, a Liga enfrentou outra entidade, uma capaz de causar medos primais nas pessoas, levando-as a comportamentos extremos para evitarem o temor. Apesar de conseguirem resistir e se libertarem do Estado de Medo que havia se instaurado, a Liga seguiu em frente com algumas feridas abertas pelos conflitos ocorridos.

Veio então o arco Surto, onde uma inteligência artificial criada por um gênio da computação é acionada pela filha dele, e acaba atacando alguns membros da Liga, criando um movimento em que muitos vilões partem no encalço dos heróis para tentar acabar com eles, em troca de um pagamento bilionário prometido pela A. I., chamada de Gênio.

Depois de lidarem com diversos inimigos como Amazo, Chip, Espantalho, Major Desastre e outros, sem a ajuda de um ocupado Superman, e verem o novo satélite base da Liga (também chamado de Torre de Vigilância) ser derrubado pelo “vírus”, os heróis conseguem triunfar, reprogramando Amazo e colocando ele contra os demais vilões.

O nível já tinha começado a dar uma subida nas páginas da revista da equipe, mas ainda estava aquém do visto em Novos 52 (a partir de Trono de Atlântida).

Depois chegou a vez do esperado confronto Liga da Justiça vs. Esquadrão Suicida, que se mostrou uma decepção imensa, sendo mal recebido pelos leitores. História fraca, que precisou “diminuir” as capacidades da Liga (principalmente Superman, Mulher Maravilha e Flash) para fazer o embate “dar graça”, e não escapou da previsível aliança entre as equipes no final, para combater o verdadeiro vilão do arco: Eclipso.

Uma pena… e um desperdício, principalmente no clímax da história, ainda que com sacadas legais como o jeito como Batman lidou com Lobo, e como o Azulão controlado por Maxwell Lord lidou com a kryptonita do Morcego. Mas o nível tinha caído novamente.

Após essa decepção, em Reagrupar, a Liga é duramente atingida por um planetóide que ameaça a Terra, e enquanto se reagrupa e lambe as feridas, finalmente pára e conversa sobre a união do time, sobre a confiança entre os membros da equipe, incluindo os novos Lanternas Verdes e, claro, o Superman “clássico” que entrou na equipe no lugar do Superman “novo”, morto no fim da fase Novos 52.

Em uma história curta, arestas são aparadas, e conceitos sobre relacionamento e “continuidade” são estabelecidos para a seqüência editorial de Rebirth, com as relações entre os integrantes da Liga sendo rapidamente passada a limpo de modo que eventuais desconfianças – novamente o Superman é o maior alvo do esclarecimento editorial – cessam e, a partir de então, funcionando de forma mais redonda e azeitada, a Liga da Justiça pode retomar seu lugar grandioso no universo dos quadrinhos. Pelo menos o recado foi esse: a Liga ia voltar a ser a equipe coesa e unida que todos sempre admiraram.

A maior coesão da nova formação então pode ser entendida como um novo ponto de partida da Liga – principalmente nessa fase Rebirth – o que vem bem a calhar diante do novo desafio a ser enfrentado pelos heróis: os Intemporais.

Tomara que daqui para a frente as coisas melhorem e a Liga possa ocupar novamente seu papel de destaque na DC com histórias à altura da mitologia da equipe.

Fontes:
Comic Book DB
DC Comics
DC Indexes
DC Wikia
DC Wikia BR
Super Heroes DB
Universo HQ