GUIA LJA | Televisão – Liga da Justiça

0

Depois dos Superamigos (conheça outras versões da Liga em nosso Guia), a principal aparição da LJA nas telinhas ocorreu de forma – agora sim – grandiosa, dando ao principal grupo de super-heróis dos quadrinhos, a importância e a imponência que lhes são devidos.


A série da Liga foi uma conseqüência direta, mercadologicamente falando, dos sucessos anteriores da Warner alcançados com as séries Batman – A Série Animada (Batman – The Animated Series – 1992 a 1995) e Superman – A Série Animada (Superman – The Animated Series – 1996 a 2000).

As experiências altamente bem sucedidas com os maiores nomes da DC Comics mudaram a reputação dos setores de animação da Warner, que por décadas ficaram famosos “apenas” por serem os responsáveis pelos Looney Tunes, ou, como são mais conhecidos, “A Turma do Pernalonga”.

Encabeçadas por Bruce Timm, as séries animadas do Batman (e suas continuações posteriores) e do Superman, mostraram à Warner – e à DC – que havia mercado potencial “de sobra” para aquele que sempre deveria ser o principal produto da editora, a Liga da Justiça.

Quando deu início ao projeto de animações da Warner, Timm baseou-se principalmente nas HQs do Cavaleiro das Trevas escritas pelos mestres Frank Miller e Denny O’Neil, pois o objetivo era justamente dar ao Morcego o ar soturno, dark e imponente que o personagem tem em sua essência, fugindo das caracterizações leves, divertidas e até juvenis das animações antigas, como Superamigos.

Outra fonte de inspiração para Timm e sua equipe foi a fotografia sombria de Roger Pratt do longa metragem Batman (1989), dirigido por Tim Burton. Controverso, o filme tem justamente na fotografia seu ponto alto, no que serviu de parâmetro para a animação.

Assim, em 1992 a televisão conhecia sua mais fiel versão do Batman em todos os tempos, quando estreou a série solo do Homem-Morcego.

O sucesso foi instantâneo e sem precedentes para uma animação desse tipo. Ao longo da série, os produtores foram reforçando o tom dark, quebrando paradigmas e convenções do gênero para produções, antes só voltadas aos jovens, e agora também mirando os adultos.

O respeito às HQs, à história e concepção do personagem e dos coadjuvantes, ajudaram a fazer da série o maior sucesso de sua época, angariando prêmios Emmy e citações até então impensadas para algo relacionado a super-heróis, chegando a ser classificada por alguns críticos estadunidenses como a melhor série animada de TV de todos os tempos.

A fidelidade ao personagem, os roteiros densos e muitas vezes adaptando arcos das revistas (boa parte a cargo de Paul Dini, também oriundo dos quadrinhos) e os outros fatores já citados foram todos mantidos quando Bruce Timm assumiu a produção da série “irmã” do Superman, em 1996.

Como Kal-El é um personagem menos “solitário” que Bruce Wayne, a série do Azulão contou com mais participações especiais que a do Morcego. Lanterna Verde, Flash, Supergirl, Aquaman e o próprio Batman participaram de diversos episódios da série do Superman, e já, na ocasião, deixaram um gostinho de “quero mais” na boca dos espectadores.

Por conta disso, na época, já existia uma expectativa com relação a uma reunião de todos os maiores heróis da editora em um episódio, ou mesmo um especial.

O que poucos imaginavam é que a expectativa seria não só atendida, mas também suplantada.

Assim, em 2001, o sonho de toda uma geração se concretizou quando o Cartoon Network exibiu o episódio Origens Secretas (Secret Origins) da nova série de super-heróis da TV: Liga da Justiça (Justice League).

Dando uma verdadeira aula de como dever ser um episódio piloto de uma série dessas, Origens Secretas trouxe uma história ambientada no mesmo Universo Animado DC (DC Animated Universe) na qual, anteriormente, se passavam as aventuras de Batman e Superman em suas séries solo.

No episódio triplo de abertura da série da LJA, a Terra é invadida por marcianos brancos. Para conter a invasão, todos os heróis então em atividade no planeta se reúnem para lutar em conjunto. Após a vitória das forças terráqueas, Superman conclama aos outros heróis que os mesmos formem uma equipe permanente para poder enfrentar, de forma mais coesa e organizada, ameaças globais ou interplanetárias como aquela que eles tinham acabado de rebater.

Nascia ali a Liga da Justiça nas telinhas. Formada por Superman, Batman, Mulher Maravilha, Lanterna Verde (John Stewart), Flash, Caçador de Marte e Mulher-Gavião, a equipe tinha o mesmo traço das séries anteriores de Timm, a mesma linha de ação e a mesma aura “madura”, adulta e séria das predecessoras.

Tomando por base o conceito editorial da Fase Torre de Vigilância dos quadrinhos, a série da Liga foi o maior sucesso de público e crítica da História da DC Comics na televisão. Os episódios normalmente eram duplos (alguns triplos), e chegaram a adaptar arcos inteiros da icônica fase das HQs nas quais Grant Morrison e Mark Waid, principalmente, escreveram as histórias.

Como inspiração da Liga de Timm foi a equipe da fase da Torre, não poderíamos deixar de ver um Batman protagonista e que se sobressaía em relação aos demais personagens, pelo princípio da ancoragem ao espectador. Ainda assim, essa característica foi amenizada em relação às HQs da época (principalmente as do Morrisson), de modo que o Morcego não se mostra quase um Deux ex Machina como naquela fase das revistas.

Mas, em se tratando de roteiros, eles não se focaram apenas na fase da Torre. Pelo contrário, outras épocas e fases da Liga, bem como histórias clássicas da DC Comics e até obras de outros formatos, como literatura e teatro, inspiraram episódios diversos, incluindo alguns com inimigos históricos da equipe, como Amazo, Brainiac, Solomon Grudy, Coringa, Lex Luthor, Gorila Grodd, Félix Fausto, Vandal Savage, Doutor Destino, Sinestro, Parasita e, claro, o maior de todos, Darkseid – que abriu a segunda temporada da série (2003 a 2004) atraindo a Liga para Apokolips.

Vale lembrar ainda que em dois episódios da série ocorreram crossovers com outra série de sucesso da época, Super Choque (Static Shock), um super herói “novo” que tinha sua própria série solo.

Outro fato marcante da série é sua abertura, que eternizou nas mentes de toda uma geração a imagem da Liga da Justiça de forma tão forte e emotiva que muitos pediram que a abertura do longa metragem que será lançado esse ano fizesse uma homenagem à série, sobretudo em sua música tema e, se possível, na abertura.


Cronologia da série:

A abertura da temporada mostra a reunião dos superseres da Terra para combater uma invasão de marcianos brancos. Após vencer os alienígenas, os heróis acatam a ideia do Superman e formam a Liga da Justiça, com sede em uma torre de vigilância construída por Batman. Inspirado na história “Nova Ordem Mundial” da Fase Torre de Vigilância dos quadrinhos, sendo que nos dois casos, as histórias serviram para unir os heróis e introduzir uma nova versão da Liga.

Logo após a formação da equipe, o Lanterna Verde passa por um julgamento por supostamente ser o mentor da destruição de um planeta. Cabe ao Flash defender o herói ante os Caçadores Cósmicos e desmentir a acusação.

Aquaman aparece logo depois liderando os Atlantes em conflitos com a superfície, o que força uma intervenção da Liga, mas depois descobre-se que o irmão do Rei de Atlântida, Orm, era o responsável por tudo. O episódio inspirou, anos depois, o arco “Trono de Atlântida” da Fase Novos 52 da Liga nos quadrinhos.

A seguir, a Liga tem que lidar com uma gangue liderada por Lex Luthor, formada por Coringa, Mulher-Leopardo, Sombra, Solomon Grundy, Safira Estrela, Cobra Venenosa e o Ultra-Humanoide. Inspirado na Gangue da Injustiça dos quadrinhos da LJA.

Após, Mulher Maravilha é exilada de Themyscera após contar com a ajuda dos homens da Liga em uma batalha contra Hades, libertado do Tártaro por Félix Fausto. Quase paralelamente, Superman e Caçador de Marte precisam escapar do Planeta Arena de Mongul, e o Lanterna Verde enfrenta Grodd na África. O episódio com Superman e Mongul foi inspirado na história “Memórias do Passado de Krypton”, de Action Comics Annual #2 de 1987.

Depois de enfrentar uma união entre Luthor e a amazona Aresia, a Liga acaba – em uma trama recheada de metalinguagem – em uma realidade paralela e enfrenta o Grêmio da Justiça da América, um grupo de personagens de histórias em quadrinhos dentro do Universo DC Comics.

De volta à sua realidade, a Liga atende um pedido de ajuda de Etrigan, para evitar que a feiticeira Morgana Le Fay fique com a Pedra Filosofal. História inspirada nas lendas arturianas britânicas.

Depois de ver o surgimento de Metamorfo, a Liga se ausenta da Terra e, no retorno, encontra uma realidade alternativa, graças às maquinações de Vandal Savage e suas manipulações temporais.

Na abertura da segunda temporada da série, a Liga é atraída a Apokolips para, supostamente, ajudar a rechaçar um ataque de Brainiac. Revelado o engodo de Darkseid, a Liga triunfa com ajuda dos Novos Deuses.

Na sequência, um Amazo muito poderoso, manipulado por Lex Luthor, causa muitos estragos à LJA, que em seguida precisa lidar com o Doutor Destino, que consegue chegar a controlar telepaticamente (em seus sonhos) os heróis, em uma trama inspirada em “Pesadelos de Uma Noite de Verão”, da Fase Torre de Vigilância das HQs.

Vandal Savage retorna pouco depois (mais uma) vez para tentar destruir a Liga, usando uma amiga da Mulher Maravilha, mas é novamente derrotado pela equipe. Em seguida vemos Kilowog, da Tropa dos Lanternas Verdes, pedindo ajuda para resgatar outros lanternas, aprisionados por Despero.

Resolvido o problema com Despero, a Liga tem que enfrentar os Lordes da Justiça, em uma trama interdimensional inspirada na antiga história “Crise na Terra-3”, da Fase Happy Harbor, de 1964, e na fase em que Luthor foi o Presidente dos EUA nas HQs do Superman.

Depois disso a LJA enfrenta as influências malignas do cristal Coração Negro, uma história que anos mais tarde inspirou Estado de Medo”, já na Fase Rebirth atual. Recuperada, a Liga entra em uma trama na qual Aquaman e Doutor Destino precisam combater um “mal antigo”, inspirado no universo de terror do gênio H. P. Lovecraft, criador do panteão de seres dos Mitos de Cthulhu.

Abalada pelos acontecimentos recentes, a Liga é presa fácil e por pouco não escapa de Grodd e sua Sociedade Secreta, formada por Parasita, Giganta, Sinestro, Sombra, Cara-de-Barro e Nevasca. História inspirada na Sociedade Secreta de Supervilões pré-Crise.

Depois de derrotar Grodd, a Liga vê Superman ser transportado para 30 mil anos no futuro em um ataque de vilões à Metrópolis, quando o mesmo salva Batman e Mulher Maravilha de um ataque do Homem Brinquedo. Kal-El volta com a ajuda de Vandal Savage. História inspirada em DC Um Milhão, da Fase Torre de Vigilância, e que teve elementos levemente usados na série de HQs “Grandes Astros: Superman”.

Novamente com o kryptoniano em suas fileiras, a Liga enfrenta o Coringa e a Gangue de Espadas em uma história inspirada no primeiro arco da Fase Internacional (e Cômica) dos quadrinhos.

Temos então uma pausa onde os integrantes da Liga curtem as férias de fim de ano, com direito a devaneios intimistas do Caçador de Marte acerca da natureza do comportamento fraterno dos heróis humanos.

Por fim, encerrando a série, o episódio Escrito nas Estrelas mostra uma invasão thanagariana, que deixa a Mulher Gavião em dúvidas acerca de quem merece sua lealdade, a Liga ou seu povo original. História inspirada na famosa “Torre de Babel”, da Fase Torre de Vigilância dos quadrinhos.

Nesse episódio, os heróis finalmente revelam, uns aos outros, suas identidades secretas. Após o encerramento da segunda temporada, a idéia de Bruce Timm era produzir um longa metragem animado chamado Quando Mundos Colidem, que faria a ponte entre essa série e a próxima: Liga da Justiça Sem Limites.

O orçamento “apertado” da época e a impossibilidade de usar a mesma equipe técnica em dois projetos simultâneos fez com que o Cartoon Netwok abandonasse a idéia, porém, depois, o conceito foi adaptado e lançado com o nome Liga da Justiça – Crise em Duas Terras, inspirada na história “Terra-2” da Fase Torre de Vigilância, só que sem a ligação cronológica com as séries da Liga na televisão, servindo mais como uma aventura fechada da equipe.

Neste link você pode conferir um guia de todos os episódios das duas temporadas de Liga da Justiça. Neste outro, em inglês, você confere a trama de cada um dos episódios, de forma pormenorizada.

No próximo capítulo do Guia, veremos a série seguinte da DC nas telinhas, Liga da Justiça Sem Limites.


Fontes:
Big Cartoon Database
DC Comics

DC Indexes
DC Wikia
DC Wikia BR
Super Heroes DB

Leave A Reply

Your email address will not be published.

%d blogueiros gostam disto: