Crítica: Superman Rebirth #1, a volta do velho e o ínicio do novo.

UM NOVO E NÃO TÃO NOVO ASSIM COMEÇO

Começou o Rebirth da DC, como falado extensivamente nas últimas semanas em toda internet e em nosso site fizemos uma análise sobre a Hq de apresentação, se você não sabe do se trata leia aqui e depois volte para o nosso texto. 🙂

Bom mas vamos ao que importa, Superman Rebirth #1 com roteiro de  Peter J. Tomasi(Batman and Robin, Green Lantern Corps) e arte por Doug Mahnkeh  e Jaime Mendonza conta com a polêmica volta do antigo escoteiro pré-novos 52, a volta aconteceu no último grande arco do Superman dos Novos 52 que se chamou “Os Últimos Dias do Superman que resumidamente serviu pra matar o Clark esquentadinho como alguns o chamavam e trazer de volta o antigo Superman à ativa.

A arte da Hq impressiona pelos detalhes e é mais “agrádavel” aos olhares do que a arte do nosso querido Romita Jr, artista titular anterior e as cores estão descentes,o visual barbado e sombrio desta primeira edição para o Superman casou muito bem, ótimo trabalho no que tange a arte.

A cena de A Morte do Superman foi redesenhada de maneira linda.
A cena de A Morte do Superman foi redesenhada de maneira linda.

ESTÁ MORTO E É ISSO

E quanto a grande novidade que é que mais importa, a introdução do novo(e antigo) Superman, funciona? Acredito que funcionará, ainda é cedo pra avaliar o impacto da decisão da editora, eu como leitor estou comprando a ideia apesar de não ter nenhum problema com o falecido Superman e isso é algo que essa HQ serviu pra frizar: O Clark está morto e enterrado(sentiu a referência a BvS …cof cof), o texto por várias vezes mostra a preocupação no novo Clark em assumir responsabilidades que outrora não pertenciam a ele, então nosso kriptoniano preferido(ou não) é colocado diante de uma Lana Lang(aquela de Smallville mesmo, mas essa cheia das credenciais) cheia de perguntas para o azulão, que prontamente responde à algumas delas, servindo de ponte para nos familiarizarmos com a cabeça confusa de um Superman que ainda não sabe direito qual o grau de problemas que aguardam.

As refêrencias a sua morte(pré Novos 52) são inúmeras pelas mãos de Doomsday, Clark acredita que assim como ele foi capaz de voltar dos mortos o Clark(dos Novos 52, eu sei, isso está ficando confuso) poderia voltar também, é nesse ponto que a Hq faz o que deveria fazer, enterra qualquer chance de uma possível volta, pelo menos nestes primeiros arcos.

O PERIGO DE SE TORNAR RÉFEM DE SI MESMO

A narrativa é clara nesse primeiro número, mostrar que temos o antigo Superman de volta e que o antigo não voltará mas tenho medo que as histórias fiquem presas demais nisso, Clark tendo que se explicar a todo instante e para cada amigo que o encontra que não é o mesmo Clark de sempre e etc. Superman Rebirth #1 foi repleto disto e não vejo que isso irá cessar tão cedo até porque isso se tornaria demasiadamente estranho, imagine leitor por exemplo quando ele se encontrar com Jimmy? Bruce? Diana!? Uma chuva de sentimentalismo e explicações terão de ser feitas a todo instante e temo que isso perdure demais ou seja ignorado em ambos os casos seria estranho apesar que penso que um ou dois arcos deêm conta de sanar a necessidade de tais explicações.

ÍNICIO PRIMOROSO

O Rebirth e as Hqs solos que o seguiram tem sido sucesso de vendas e crítica e não foi diferente com Superman Rebirth #1, agora as histórias do novo e velho Kalel continuarão em Superman #1 e Action Comics #957 que teve a numeração de volta à antiga e estará rumando a 1000 edições publicadas, certamente um recorde para a DC Comics.

Nota: 4,5/5

Superman Rebirth e todas as outras Hqs solos não tem data prevista para chegarem oficialmente ao Brasil.

Dasayeve Xavier

Dasayeve Xavier, estudante de Engenharia de Computação, administrador da page DC Brasil Club e desenhista amador nas horas vagas(ou não). Fã da DC e principalmente do Batman, escreve aleatoriedades para este site.

%d blogueiros gostam disto: