806Visualizações 0comentários

Star Wars: O segredo por trás da armadura de Darth Vader

Poron setembro 19, 2016
 

StarWars: O segredo por trás da armadura de Darth VaderA queda de Anakin Skywalker perante Obi-Wan Kenobi no planeta Mustafar e sua transformação em Darth Vader é um dos eventos mais importantes do universo de Star Wars, e é um dos fatos mais lembrados pelos fãs da saga. A perda de parte dos membros e as severas queimaduras sofridas durante a batalha com Kenobi representaram a passagem definitiva de Vader para o Lado Negro, limitando suas habilidades, que estavam em plena evolução.

O que, para a maioria, terminaria em morte certa, para Vader foi apenas uma transformação. Seu resgate pelo Imperador Palpatine e a remoção imediata para uma unidade médica foi o que permitiu que ele sobrevivesse. Mas o preço foi alto: sua sobrevivência só foi possível graça a uma armadura de suporte vital que, ao ser retirada, traria morte certa para ele em poucos minutos.

Os Sith eram exímios construtores de armaduras, e vários Lordes sombrios as utilizaram ao longo da história, seja para proteção em batalhas, seja para vencer limitações naturais. Traço mais icônico de Darth Vader, sua lendária armadura negra transformou sua personalidade em algo mais sombrio e indecifrável, levando medo instantâneo a quem ficasse em seu caminho, e protegendo-o em muitas ocasiões.

Com código de série E-3778Q-1, a armadura foi confeccionada logo após a queda de Anakin em Mustafar, no ano 19 ABY. Seu material de construção era Durasteel, uma liga metálica poderosa, resistente a tiros de Blasters e a Sabres de Luz (em contato rápido, claro). Seu peso total era de 120 quilos (alguém tem dúvida do porquê do esforço de Luke para carregá-lo após a Batalha em Endor?), e possuía 2,02 metros de altura.

12400615_1243446965682132_4388814021394820002_nComposta por uma imensa variedade de sistemas de suporte vital, a armadura fornecia um constante suprimento de oxigênio devidamente filtrado para Vader, além de controlar seus batimentos cardíacos. Como aparece no livro do Episódio VI, de James Kahn, antes do primeiro encontro de Vader com Palpatine do volume, apesar da tensão que sempre sentia antes de se encontrar com o Imperador, sua respiração e batimentos cardíacos não podiam ser acelerados, já que a armadura os controlava eletronicamente. Isso poderia ser visto como uma vantagem, já que, em momentos de crise e batalhas, a armadura não permitia que Vader se excitasse demasiadamente, ficando calmo independente da situação, estando livre para um melhor uso de suas habilidades.

Além disso, a armadura era perfeitamente ajustada ao corpo de Vader, encaixando os membros mecânicos hermeticamente, permitindo, assim, uma movimentação quase perfeita. Obviamente que ele precisou de um período de adaptação aos novos membros mecânicos e as limitações naturais da armadura, tendo de mudar sua forma de usar o Sabre de Luz para atacar e se defender melhor.12507637_1243447005682128_3752490910722593273_n

Visão interna da máscara de Vader, ligeiramente assustadora, por sinal. Interessante que o capacete continha vários dispositivos que forneciam ao Lorde Sith um fluxo constante de dados do ambiente ao redor, ampliando sua formidável conexão com a Força. Além disso, o visor tinha função infravermelha e ultravioleta, permitindo que Vader enxergasse em qualquer situação, até no mais completo escuro.

A máscara possuía ainda sensores e radiadores de baixa potência que controlavam a temperatura dentro do traje, diminuindo o aquecimento gerado pelo sistema elétrico em funcionamento, e expelindo constantemente o excesso de calor.

12513970_1243446975682131_2024142211653392592_oNa foto onde há um diagrama mostra mais algumas funções importantes do capacete de Vader. O capacete era preso à pele dele por agulhas (OUCH!), que enviavam constantemente ao computador central do peito da armadura informações sobre suas atividades cerebrais, neurológicas e vasculares. A parte traseira do capacete possuía um sistema de processadores independentes, para controlar as funções. Além disso, sensores atmosféricos (os pinos nas pontas do queixo de Vader) estavam o tempo todo controlando as funções da armadura, detectando e evitando possíveis ameaças à segurança do usuário.

O peso total da parte dos ombros era de 12,2 Kg. Seu peso impedia Vader de realizar movimentos muito alongados. Ele até conseguia levantar as mãos acima da cabeça, mas com bastante dificuldade.

A armadura abaixo do pescoço de Vader era constituída por múltiplas camadas de materiais acolchoados, que o protegiam de praticamente tudo que o pudesse ferir. O material era flexível, e capaz de resistir a fogo e a gases corrosivos. Uma junta interna liberava um composto de Kouhunin, uma neurotoxina sintética baseada no veneno dos vermes Kouhun (aqueles que foram usados para tentar matar Padmé no início do Episódio II – O Ataque dos Clones).

Diluída em um cartucho localizado abaixo da clavícula direita do Lorde Sith, a neurotoxina era acessada através de uma válvula, e constantemente infiltrada no corpo de Vader, para diminuir a percepção de dor causada pelos ferimentos em Mustafar, e também diminuía dores em situações de perigo. Sua dor, porém, era constante, mesmo com a introdução do composto em seu corpo.

12509706_1243447069015455_8027103609224038875_nA luva direita do Vader, que cobria sua mão cibernética, foi construída em um metal mandaloriano resistente a Sabres de Luz e tiros de Blaster. Além disso, possuía amuletos Sith indestrutíveis do Jedi que foi seduzido pelo Lado Negro e se tornou Lorde Sith, Skere Kaan.

No livro The Glove of Darth Vader, de Paul e Hollace Davids, ela é recuperada e usada como instrumento de poder por Trioculus, líder de guerra que se intitula Imperador um ano após a Batalha de Endor.

A “suíte” de controle das funções vitais de Vader. Protegida contra ataques, ela controlava todos os sistemas da armadura, incluindo a magnetização das botas. Era acompanhada pelas caixas de funções do cinto, que regulavam a temperatura da armadura. O regulador era poderoso o suficiente para permitir que Vader se movimentasse com liberdade e sem nenhuma proteção adicional inclusive em lugares extremamente adversos, como o planeta de gelo Hoth, certamente uma grande vantagem contra seus inimigos.12509532_1243447072348788_6701966261798611833_n

Um dos maiores problemas da queda de Vader em Mustafar foi a queima severa de sua pele. Ela teve que ser substituída por uma pele sintética, que precisava ser periodicamente trocada para não necrosar a carne. Isso tornava a vida de Vader um desconforto constante, sem poder dormir ou descansar completamente.

As botas de Vader eram também construídas em Durasteel, e possuíam função interessante: magnetização, que as prendiam em chão metálico. Isso foi útil, por exemplo, na pequena história O Assassinato de Darth Vader, em que o Lorde Sith usou essa tecnologia para evitar o desprendimento para o espaço durante a despressurização do hangar de ancoragem de naves, e pôde subir pela lateral do Destroyer até a sala de controle.

Com todos esses dados, é possível perceber como a inventividade da ciência Sith permitiu a criação de muitos artefatos interessantes. Essa armadura foi uma das melhores construídas pelos engenheiros Sith, que permitiu o prolongamento da vida de Anakin. Mas… a que preço? Apesar das muitas funções interessantes, como a introdução constante da neurotoxina para aliviar suas dores, elas permaneceram constantes, evitando que Vader tivesse uma vida “normal”. A troca periódica da pele sintética também era um sofrimento, o que nos faz crer que a maior parte do tempo de Vader era de sofrimento e dor. Um panorama não muito interessante de vida…

Abaixo as fotos:

 

Fonte: Ordem Sith Brasil